Por que o feminismo é tão necessário?
Domingo, 29 de novembro de 2015

Por que o feminismo é tão necessário?

 

#MexeuComUmaMexeuComTodas #CombateàViolênciaContraaMulher

 

Apesar de todas as conquistas das mulheres nas últimas décadas, ainda vivemos em uma sociedade patriarcal e machista, em que ainda se tolera a violência contra a mulher e a ideia de que esta é inferior ao homem. 

Não é raro ouvirmos comentários de que mulher não pode fazer determinada coisa por ser “coisa de menino e não de menina”. Somos, até mesmo, questionadas se nossos namorados deixam que saiamos sozinhas com as amigas ou usando roupas curtas, como se, de alguma forma, fossemos propriedades dos homens e precisássemos de autorização para fazer alguma coisa.

Não raro também ouvimos comentários que justificam a violência contra a mulher, dizendo que “se apanhou é porque fez alguma coisa”, ou que a vítima de estupro é responsável pela violência sofrida. A vítima é julgada pelo tamanho de suas roupas, pela hora que ela estava andando sozinha na rua, enquanto o seu agressor é esquecido – e, apesar de ter cometido um crime, muitas vezes não é punido.

Ainda, pode-se citar a objetificação do corpo feminino em inúmeras propagandas, onde a mulher está ali como um objeto para agradar e satisfazer o homem. Não só isso: desde meninas, somos levadas a acreditar pelos filmes e contos de fadas que uma mulher só estará verdadeiramente realizada se ela se casar e tiver filhos.

Com tudo isso, não podemos ignorar a importância do feminismo na atualidade. Ao contrário do que muitos pensam, o feminismo não é o oposto do machismo. O feminismo prega a igualdade de gênero, prega uma sociedade onde mulheres e homens tenham, de fato, os mesmos direitos. Defende o direito das mulheres de poderem andar nas ruas sem ter que ouvir cantadas desagradáveis – afinal, o corpo delas pertence somente a elas, sendo a rua pública -, defende que as mulheres possam ganhar o mesmo salário que os homens ao desempenhar a mesma função, entre outras reivindicações. O feminismo desfaz a ideia incutida pela sociedade patriarcal que mulheres devem ser rivais entre si.

No Brasil, temos uma situação alarmante, a violência contra a mulher ainda é muito forte. Segundo a última pesquisa DataSenado sobre violência doméstica e familiar (2015), uma em cada cinco mulheres já foi espancada pelo marido, companheiro, namorado ou ex. Apesar de conquistas como a Lei Maria da Penha e a inclusão do feminicídio no Código Penal, ainda existe muito para ser feito, principalmente porque vivemos um momento político em nossa sociedade onde o conservadorismo e ideias retrógradas vêm ganhando terreno. 

Pode-se citar o desastroso Projeto de Lei n° 5069/2013, de autoria de Eduardo Cunha, que pretende dificultar mais ainda o acesso ao aborto seguro em casos de estupro, exigindo a comprovação da violência através do exame de corpo de delito, o que expõe ainda mais a mulher a uma segunda violência, só que dessa vez praticada contra ela pelo Estado. Atualmente, o testemunho da vítima é suficiente para autorizar a prática do aborto em um caso de estupro. Nem se precisa dizer que a aprovação do Projeto de Lei na Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados contou com apenas duas mulheres. São, mais uma vez, os homens decidindo no lugar das mulheres, quando estas são as verdadeiras afetadas. Faz-se um jogo político, em que a religião se coloca à frente dos direitos humanos e em que a laicidade do Estado é completamente ignorada, o que torna o cenário ainda mais preocupante.

As mulheres devem se unir na luta para a proteção de seus direitos – já conquistados e aqueles ainda por conquistar – e na busca da igualdade, de fato, entre gêneros.

Carolina Salles é Mestre em Direito Ambiental, ativista animal.
Fernanda Favorito é Graduanda em Direito, Especialista em Gestao Empresarial e Mestre em Hospitalidade.

# feminismo:

#1 Por que o feminismo é tão necessário?

#2 Por que o feminismo é tão importante no contexto atual brasileiro?

#3 O que é Sororidade e por que precisamos falar sobre?

#4 Um pouco da história de conquistas dos direitos das mulheres e do feminismo

#5 Violência contra mulheres, violência doméstica e violência de gênero: qual a diferença?

#6 Pelo fim da cultura do estupro

#7 Do que estamos falando quando queremos legalizar o aborto?

#8 Tirem o racismo do feminismo: mulheres negras vão passar

#9 Transfeminismo: a pauta que nos ensina ir além do binarismo homem e mulher

#10 Meu cérebro, minhas ideias

#11 Homens, vocês têm medo de quê?

#12 Os problemas de um feminismo para consumo imediato


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

 

Domingo, 29 de novembro de 2015
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]