Pena de policiais condenados por torturarem Amarildo é menor do que de homem que plantou maconha
Terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Pena de policiais condenados por torturarem Amarildo é menor do que de homem que plantou maconha

Criador da primeira igreja rastáfari do Brasil, Ras Geraldinho foi sentenciado pelo Estado por conta de 37 pés de maconha, usados para uso religioso. O caso ocorreu em 2013 — poucos meses antes do pedreiro Amarildo ser brutalmente assassinado por policiais militares no Rio de Janeiro.

Matéria originalmente postada em Democratize 

Na época, sua namorada Marlene Martim, já havia afirmado seu estado de perplexidade pela pena ser tão dura a ponto de ser maior do que “para muitos casos de assassinatos, estupros e sequestros”.

Para um dos advogados de Ras Geraldinho, a condenação feriu as liberdades de consciência e religiosa, ambas garantidas na Constituição Federal: “Tráfico pressupõe lucro, presença de armas, balanças de precisão, mas nada disso foi apresentado”. O sítio onde Ras Geraldinho vivia no interior de São Paulo já havia sido invadido por policiais três vezes antes — ambas sem mandado.

Muito se falou sobre o fato de Ras Geraldinho ser conhecido em sua cidade, Americana, e o preconceito em torno de sua imagem, além da intolerância religiosa impregnada na Justiça.

Enquanto isso, três anos depois da sentença contra Ras Geraldinho, a Justiça brasileira enfim resolveu por condenar os 13 policiais militares envolvidos no assassinato do pedreiro Amarildo. Porém, a maior pena ainda assim consegue ser mais “leve” do que a sofrida pelo ativista da cannabis em São Paulo.

O comandante da UPP, major da Polícia Militar Edson Santos, recebeu a maior pena “por ser um superior que deveria dar exemplo aos subordinados”. De acordo com a sentença da juíza: 13 anos e sete meses em regime fechado pelos crimes de tortura seguida de morte, ocultação de cadáver e fraude processual.

O subcomandante da unidade, tenente da PM Luiz Felipe de Medeiros, foi condenado a dez anos e sete meses de prisão. De acordo com a sentença, “ele orquestrou o crime junto com o major Edison”.

O soldado Douglas Roberto Vital Machado foi condenado a 11 anos e seis meses em regime fechado, “por ter atuado desde a captura de Amarildo até a morte dele”.

Os soldados da PM Marlon dos Campos Reis, Jorge Luís Gonçalves Coelho, Jairo da Conceição Ribas, Wellington Tavares da Silva e Fábio Brasil da Rocha da Graça foram condenados a dez anos e quatro meses.

Se formos considerar outros exemplos de processos contra policiais militares que mataram civis inocentes no Brasil, a tendência é que boa parte desses oficiais acabem sendo soltos brevemente, nos próximos anos.

Terça-feira, 2 de fevereiro de 2016
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]