Deputado pede esclarecimento a Moraes e Carmén Lúcia sobre atuação na questão prisional
Quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Deputado pede esclarecimento a Moraes e Carmén Lúcia sobre atuação na questão prisional

O deputado federal  Wadih Damous (PT) encaminhou, hoje (5), um pedido de esclarecimento ao Ministro da Justiça Alexandre de Moraes e a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Carmén Lúcia, sobre a situação prisional nos Estados de Pernambuco e Amazonas. Moraes e Carmén Lúcia se encontraram, ontem (4), para discutir o massacre ocorrido no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj).

Embora o ministro tenha declarado “que houve ‘falha’ por parte da empresa Umanizzare – que administra o Compaj – no massacre que deixou 56 mortos nesta semana em Manaus”, na semana passada ele anunciou o esvaziamento de fundos para o Fundo Penitenciário (Funpen). Moraes expressou seu desejo em utilizar a verba destinada para a melhoria da dignidade do cárcere para aumentar o poderio da Força Nacional. Além disso, culpar a empresa é uma maneira de retirar a responsabilidade do Estado sobre a situação do sistema carcerário no país.

Na carta destina ao ministro, o deputado federal cita o Relatório de Visita a Unidades Prisionais de Manaus, elaborado pelo Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT), em janeiro de 2016. Wadih questiona se o Conselho Nacional de Política Penitenciária teve conhecimento do relatório e se houve alguma recomendação, visita ou medida no sentido de retomar as atividades do Comitê Nacional de Combate a Tortura.

“Qual é a política nacional desse ministério com relação a privatização de unidades prisionais? E qual é o acompanhamento realizado pelo Ministério nas unidades em que existem parcerias entre o setor privado e o público?”, diz o documento.

Para Carmén Lúcia, Wadih pergunta quais serão as medidas adotadas pelo STF com relação a seguração do juiz Luis Carlos Valois e de seus familiares, após ameaças do Primeiro Comando da Capital (PCC) por conta de uma matéria do jornal Estado do São Paulo, que acusou indevidamente Valois de estar ligado à facção criminosa adversária.

Sobre a decisão do STF, em outubro de 2016, que conclui pela execução provisória da pena após condenação em 2º grau, relativizando o princípio constitucional da presunção da inocência, o deputado questiona quais serão os impactos na configuração do número de presos provisórios e definitivos no sistema carcerário do país.

Wadih indaga ainda qual tem sido a participação de representantes do Poder Judiciário em Comitês Nacionais de Direitos Humanos e Política Penitenciária. 

Leia o pedido de esclarecimento a presidente do STF

Leia o pedido de esclarecimento ao Ministro da Justiça

Quinta-feira, 5 de janeiro de 2017
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend