Quem é Neil Gorsuch, indicado por Trump para a Suprema Corte dos EUA?
Quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Quem é Neil Gorsuch, indicado por Trump para a Suprema Corte dos EUA?

 

* Por Antonio Sepulveda, Henrique Rangel e Igor de Lazari

 

Os Presidentes Michel Temer e Donald Trump terão a chance de alterar, respectivamente, a composição do Supremo Tribunal Federal (STF) e da Suprema Corte dos Estados Unidos da América (SCOTUS) nas próximas semanas.

Enquanto Temer não dá sinais de quem será seu indicado, Trump, na última terça-feira, anunciou, a partir de sua lista de 21 (vinte e um) potenciais candidatos, o nome de Neil Gorsuch, magistrado da Corte de Apelação do Décimo Circuito, que abrange os Estados de Colorado, Kansas, New Mexico, Oklahoma, Utah, Wyoming e parte do Parque Nacional de Yellowstone. Em 2006, foi nomeado para o Décimo Circuito por George W. Bush, sem enfrentar oposição parlamentar.

Aos 49 (quarenta e nove) anos de idade, Gorsuch é um juiz normalmente, mas não exclusivamente, conservador que detém as tradicionais credenciais para o cargo e, tecnicamente, é muito bem avaliado no meio jurídico, não deixando a desejar em nada em relação aos justices em exercício no cargo. Se considerados os últimos 25 (vinte e cinco) anos, trata-se de indicação de um dos mais jovens candidatos ao cargo, o que indica a estratégia republicana de influenciar ideologicamente, pelos anos vindouros, as decisões da Corte.

Perfil Pessoal

Protestante, oriundo do Colorado e diplomado pelas Universidades de Columbia, Harvard (graduação) e Oxford (doutorado), já exerceu a função de assessor (law clerk). Como assessor, oficiou junto ao juiz David Sentelle, na Corte de Apelação do Distrito de Columbia, e, na SCOTUS, aos justices Byron White e Anthony Kennedy, que ainda integra o Tribunal. Confirmado, seria a primeira vez na história, que um justice e um de seus antigos clerks ocupariam simultaneamente cadeiras na Suprema Corte.

Uma vez aprovado para a vaga de Antonin Scalia, Gorsuch se tornará o 113º justice a ocupar o cargo e integrará um plenário composto de 5 (cinco) juristas católicos e 3 (três) judeus. De um lado, individualmente Gorsuch não destoa do perfil ordinário dos justices da SCOTUS. De outro, prevê-se que sua nomeação não impactará, isoladamente, as decisões do Tribunal. Isto porque, já afirmamos noutro artigo, num primeiro momento, após a primeira nomeação, a Corte reconstituirá seu status quo: dividida, mas levemente alinhada à direita, na qual o justice Anthony Kennedy será, novamente, o votante decisivo (swing vote) nos julgamentos politicamente disruptivos da SCOTUS.

Essa aparente reconstituição do status quo da Corte se ampara ainda na admiração do próprio Gorsuch por Scalia, que reputou ser num pronunciamento recente “um leão da lei”. E, assim como Scalia, Gorsuch é apegado à letra da Lei (adepto ao textualismo), já tendo declarado, inclusive, que “para aplicar a lei como ela é, é preciso focalizar para trás e não para frente”, apesar de situar-se mais à direita do que seu antecessor. 

Perfil Profissional

Imediatamente após o anúncio da indicação, líderes democratas afirmaram que Gorsuch repetidamente preferiu os interesses de grandes corporações aos direitos de trabalhadores, demonstrou hostilidade a direitos de mulheres e, ainda, adotou abordagem ideológica da jurisprudência que põe dúvidas sobre sua independência. Em decisões pretéritas, Gorsuch já reputou a contracepção imoral, opôs-se a limitações da liberdade de expressão religiosa em espaços públicos e não era simpático a condenados à pena de morte.

Gorsuch também não é partidário da doutrina Chevron (caso Chevron v. Natural Resources Defense Council), que concede às agências federais, desde que o resultado interpretativo seja razoável, ampla discricionariedade para interpretar atos do Congresso que apresentem ambiguidade (apesar de sua mãe haver sido agente da Agência de Proteção Ambiental americana e, inclusive, indicada para dirigi-la por Ronald Reagan).

No ano passado, Gorsuch criticou publicamente a doutrina Chevron por permitir que “as burocracias acumulem consideráveis quantidades de poderes judiciais e legislativos, além de concentrar poderes executivos federais, de modo a dificultar sobremaneira o enquadramento destas ao desenho constitucional estabelecido pelos pais-fundadores. Talvez, tenha chegado o momento de enfrentar o mastodonte”. Neste ponto, no qual diverge de Scalia, suas visões poderiam autorizar revisões judiciais de ações administrativas sobre inúmeras matérias, desde temas relacionados à imigração até assuntos afetos ao meio-ambiente.

Dado o futuro contexto em que provavelmente atuará, o mapeamento de outros aspectos do perfil de Gorsuch só será possível apurar ao longo do tempo, ou, considerando sua idade, ao longo das próximas décadas.

Antonio Sepulveda (professor e doutorando em Direito/UERJ), Henrique Rangel (mestre em Direito/UFRJ) e Igor de Lazari (mestrando em Direito/UFRJ) são pesquisadores do Laboratório de Estudos Teóricos e Analíticos sobre o Comportamento das Instituições – Letaci/PPGD/UFRJ.

Quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend