Doria ingressa na Justiça para apreender pessoas na Cracolândia e interná-las obrigatoriamente
Quarta-feira, 24 de maio de 2017

Doria ingressa na Justiça para apreender pessoas na Cracolândia e interná-las obrigatoriamente

O prefeito João Doria (PSDB) ingressou no Poder Judiciário para poder apreender pessoas na região da Cracolândia e interná-las obrigatoriamente. O pedido de busca e apreensão já foi enviado para o Juiz, que antes de decidir enviou para parecer do Ministério Público de São Paulo. A ação com o pedido, no mínimo, “estranho” foi movida pela Procuradoria do Município e assinada pelos procuradores Ricardo Ferrari Nogueira e William Alexandre Calado.

Na ação de busca e apreensão, os procuradores afirmam que a operação policial na Cracolândia – a qual nas palavras da Secretária Municipal de Direitos Humanos da própria gestão Doria foi classificada como “desastrada” – espalhou usuários de droga por outras regiões. Sendo assim, essas pessoas que estariam, nas palavras dos procuradores, abduzidas pelo “fluxo” precisariam ser examinadas clinicamente pela prefeitura e, se fosse o caso, internadas contra sua vontade.

Leia também: Operação surpresa de guerra na Cracolândia choca entidades e recebe críticas

Secretária de Direitos Humanos de Doria classifica ação na Cracolândia como “desastrosa”

Defensoria obtém liminar que proíbe remoções e demolições na Cracolândia por gestão Doria

Hotel Laide: o documentário mostra a Cracolândia que João Doria não quer ver

Contudo, apesar ainda da frágil argumentação, os procuradores pedem que o Judiciário emita uma ordem para apreensão genérica, sem delimitar grupo de pessoa e, ainda, sem delimitar território. Basicamente, pede-se uma carta branca para a prefeitura apreenda quem ela bem entender, encaminhe para um setor médico e interne compulsoriamente, se assim entender necessário.

Ao Justificando, o Promotor de Justiça da Saúde Pública responsável pelo caso, Arthur Pinto Filho, criticou com veemência o pedido feito pela Prefeitura encabeçada por João Doria: “estamos no terreno do absurdo. Trata-se de uma situação nunca antes vista, pelo menos no meu conhecimento, em nenhum lugar do Brasil ou do Mundo em que se peça ao Judiciário uma ordem tão genérica para que as pessoas sejam apreendidas no meio da rua. Isso viola a Constituição, o Código de Ética Médica, a Lei Antimanicomial”.

Leia o pedido na íntegra.

Quarta-feira, 24 de maio de 2017
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend