Mulheres com voz por Diretas e por Direitos
Quinta-feira, 8 de junho de 2017

Mulheres com voz por Diretas e por Direitos

Foto: Levante Popular da Juventude 

As mulheres queremos voz. As mulheres exigimos voz. Sofremos uma longa História escrita por homens que nos relegaram ao silêncio e não estamos suportando mais ficar caladas. A voz queima as entranhas quando é sufocada porque a voz não nasceu para ser confinada, amarrada. A voz nasceu para o grito, não para o murmulho.

Queremos falar de política e não encontramos espaço. Estamos sub-representadas num Congresso patriarcal que reproduz uma política patriarcal, numa imprensa hegemônica que com frequência nos enxerga como cotas politicamente corretas em vez de como figuras relevantes a serem escutadas, numa academia ainda masculina que pensa masculinamente. Porque, muitas vezes, nem dentro da própria esquerda, que se diz de nosso lado, temos o lugar que merecemos. Cada espaço conquistado por nós é resultado de uma luta.

Nós, mulheres, queremos ser ouvidas. Queremos nos manifestar contra um presidente e contra um congresso que não nos representam. Queremos falar por nosso direito de voto e escolha. Porque nós, mulheres, somos a maioria da população e temos nossos direitos violados diariamente.

Você, minha amiga, minha colega, você desconhecida, você que mora longe ou de meu lado, vai sofrer comigo uma agenda de retrocessos cujo impacto será muito mais negativo para você e para mim pelo fato de sermos mulheres.

Você e eu vamos sofrer com a reforma trabalhista que nos prejudicará especialmente aumentando nossa precariedade e vulnerabilidade. Vamos sofrer com a reforma da Previdência que dificulta a aposentadoria principalmente para as mulheres por conta de uma divisão sexual do trabalho perversa. Vamos sofrer com a PEC 55/2016 que congela os investimentos públicos na saúde, educação e assistência social por 20 anos e comprometerá nosso futuro. Vamos sofrer com a PEC 29/2015 que veta o aborto legal. Estamos sofrendo com as múltiplas formas de violência contra as mulheres e com a cultura cotidiana do estupro. Tantas de nós estão sofrendo com a LGBTfobia. Os filhos de tantas mulheres negras estão sofrendo com o genocídio da juventude negra e periférica.

Queremos gritar contra todos esses sofrimentos.

As violências são sempre piores para nós.

Por tudo isso, organizações, movimentos, entidades feministas e feministas autônomas, convocamos um grande ato para domingo, dia 11 de junho, das 12.00h às 18.00h no Largo do Arouche com a presença de várias artistas para levantar nossa voz.

Foto: Reprodução do evento no Facebook

Venham conosco! Juntas podemos conquistar o que sozinhas nos é negado.

Somos donas de nossa palavra e vamos lutar por ela.

Não queremos o silêncio de novo.

Confira o evento no Facebook.

Esther Solano é Doutora em Ciências Sociais e professora da Universidade Federal de São Paulo. 

Quinta-feira, 8 de junho de 2017
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend