Salah Khaled Jr. lança obra sobre Criminologia Cultural. Adquira na pré-venda
Quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Salah Khaled Jr. lança obra sobre Criminologia Cultural. Adquira na pré-venda

Foto: Carol Garcia / AGECOM

Salah H. Khaled Jr., Doutor em Ciências Criminais e Professor de Direito Processual Penal na Universidade Federal do Rio Grande (FURG), é um grande e velho conhecido do público do Justificando, que tem acompanhado sua trajetória de produção crítica há quase quatro anos. Nesse começo de ano, o público ganha dobradinha de produção de Salah, ambas com o selo do Just e da editora Letramento, por meio de seu selo jurídico Casa do Direito. Está no ar nessa semana o lançamento da pré-venda da obra que reúne vários ensaios do autor, agora em versões substancialmente ampliadas “Crime e Castigo: ensaios de resistência, controle social e criminologia cultural”, além da 2ª edição da obra “Discurso de ódio e sistema penal”.

Pensar o crime como fenômeno essencialmente cultural é o desafio da obra inédita de Professor Salah Khaled. A criminologia cultural vai estudar que todos experimentam o crime como construção cultural que se dá em uma dinâmica incerta e imprevisível, através da qual é negociado seu significado: como estilo de vida, entretenimento comodificado, inimigo a ser combatido ou temido, a realidade do crime e da criminalidade parece algo palpável, quase ao alcance da mão. 

 

[ADQUIRA AQUI O LIVRO “CRIME E CASTIGO: ENSAIOS DE RESISTÊNCIA, CONTROLE SOCIAL E CRIMINOLOGIA CULTURAL”]

 

Programas sensacionalistas, filmes que glamourizam o desvio e roupas de grife que estilizam a transgressão são alguns dos elementos que demarcam o território de possibilidades analíticas do que pode ser visto como efervescência criminal nos mais distintos círculos da cultura globalizada. 

Em uma arena de disputa cultural, a eleição de um inimigo como o terror pode representar um gigantesco capital político, pelo menos para quem consegue manejar com competência o artifício. Existe um enorme legado cultural de legitimação para práticas punitivas abusivas que remete não só ao discurso estatal de combate ao terrorismo, como também à transformação do terrorismo em mercadoria. Como observam Ferrell, Hayward e Young, uma Criminologia Cultural do Estado deve expor as falaciosas narrativas do terrorismo e do contraterrorismo que são divulgadas pela cultura de massas nas mais variadas instâncias, como filmes, seriados, quadrinhos e games. São narrativas que em grande medida contribuem para a difusão de terror, paranoia, xenofobia e medo.

Muitas vezes os “efeitos colaterais” são propositalmente engendrados, conformando um processo de violência simbólica, propositalmente concebido para justificar práticas de restrição de liberdades, que de outro modo jamais seriam aceitas. O discurso efetivamente contribui para que direitos civis sejam trocados pela promessa de segurança, ainda que a ameaça não seja “real”, ou no mínimo, não tenha nem mesmo remotamente a envergadura que aparenta. 

Em meio a tantas questões, a obra de Salah Khaled Jr. surge como um excelente ponto de partida para discutir a criminologia cultural em nossos tempos. De quebra, o leitor ainda conta com o prefácio do Professor Doutor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Álvaro Oxley da Rocha.

Discurso de ódio e sistema penal: 2ª edição revisada e ampliada

Sucesso de público e de crítica, a obra “Discurso de ódio e sistema penal” chega a sua 2ª edição com ampliação. A apresentação do livro Discurso de Ódio, que conta com prefácio do Professor Doutor de Direito Processual Penal, Geraldo Prado, ficou a cargo da Doutora em Filosofia pela UFRGS, Marcia Tiburi, que destacou:

“O ódio surge em nossa época como uma espécie de emoção comum. Quando dizemos que ele é um afeto, queremos dizer que toca a todos, que está ao alcance de qualquer um. É das emoções que sejam compartilhadas, capazes de contagiar a muita gente. Somos condicionados a pensar que o ódio seja assim, algo próprio e, portanto, natural, que nasce na intimidade de alguém como algo inevitável. Na mesma linha, costumamos contrapor ao ódio ao amor pensando que ele também é natural. E esse é o começo dos erros que cometemos em nome desses afetos. Porque, ao tê-los como naturais, eles nos tornam cegos e, no limite, autoritários.

 

[ADQUIRA O LIVRO “DISCURSO DE ÓDIO E O SISTEMA PENAL”, O QUAL CHEGA A SUA 2ª EDIÇÃO]

 

O ódio que cada um sente, dá a sensação de uma verdade alcançada e inquestionável em relação ao objeto do ódio. A sensação de autoridade que o ódio produz é impagável. Ela faz alguém se sentir grandioso, superior ao que se odeia. É essa compensação imediata que se alcança pelo ódio, o que o amor nem sempre fornece. Por que o amor é uma emoção que se dá em outro tempo. Ele é lento quando comparado ao ódio. Para quem odeia, o ódio é experimentado como uma coisa boa. Além de tudo, aquele que sente ódio se sente como uma autoridade, justamente porque o ódio, como qualquer afeto, parece evidenciar verdades. O perigo está em que o ódio não é apenas sentido em relação a algo que se revela odiável, mas o ódio pode ser produzido na direção de um objeto que não se imaginou odiar antes. Podemos assim estimular o ódio, o nosso próprio e o dos outros, e procurar o que odiar depois. Do mesmo modo, podemos fazer com o amor. Não dizemos que há pessoas cheias de amor para dar? Ora, os afetos são energias psíquicas que surgem de tempos em tempos para manter tudo como está ou para causar transformações.

O ódio pode ser contraposto ao amor apenas genericamente. O que os dois afetos nada simples tem em comum é que podem ser manipulados sem muita dificuldade. Diremos que o amor é construtivo e o ódio é destrutivo, mas ambos são afetos criados, inventados, fomentados por um mecanismo poderoso, o discurso que pode ser imagético ou verbal. Assim, o ódio se faz discurso, mas apenas quando a ordem do discurso usa o ódio, assim como pode, em outro momento, usar o amor para os fins aos quais serve. Na sociedade do espetáculo, a manipulação do ódio se dá pelos meios de comunicação de massa.

Nesse contexto de imaginação manipulada e controlada, o que ninguém percebe é que o ódio que transita não lhe pertence. Assim como as pessoas vivem a repetir ideias prontas que não são suas, que são impensadas, do mesmo modo, reproduzem afetos que não são seus. O vazio afetivo é vivido com emoções alheias, com mercadorias emocionais, daí o verdadeiro culto de emoções que vemos em estádios de futebol, em igrejas, diante das televisões e até mesmo nas ruas. O vazio emotivo, efeito de subjetividades canceladas, é vivido como anestesia insuportável. Muitas pessoas encontram o ódio nesse momento e sentem, por meio dele, uma específica sensação de força e poder. Ligado àquela sensação de autoridade, o ódio faz um sucesso impressionante nas instituições que controlam o poder.

É nesse momento que o ódio se liga ao poder penal, tema desse instigante livro de Salah H. Khaled Jr. O ódio é o que leva qualquer um à sensação da autoridade, em nossa sociedade, ele se expressa no lugar imaginário de promotor e juiz vivido por cidadãos comuns. Julgamentos e condenações são banalizados e surgem como entretenimento e até mesmo como diversão para aqueles que vivem no regime afetivo do ódio manipulado, alienados de outros afetos. O ódio é um regime afetivo e também ético-político, que causa efeitos concretos na sociedade. Em sua aliança com o poder penal, o ódio nos faz construir um outro, o criminoso como um outro. É nessa sociedade que a corrupção se torna uma espécie de “crime do outro”, como o mal a ser exorcizado.

Cegos de ódio, cidadãos comuns tornam-se incapazes de fazer perguntas. E, sobretudo, a pergunta essencial sobre o modo como se tornaram cegos. O livro de Salah Khaled nos leva de volta à dúvida amorosa e à inteligência dos afetos tão em baixa nesse momento”.

Quarta-feira, 31 de janeiro de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend