Porque Conceição Evaristo é a grande candidata à Academia Brasileira de Letras
Terça-feira, 24 de julho de 2018

Porque Conceição Evaristo é a grande candidata à Academia Brasileira de Letras

Foto: ALLAN RICHNER/Divulgação ITAÚ CULTURAL.

Fonte: Carta Capital e Universa.

A premiada escritora mineira Conceição Evaristo entregou, no dia (18) deste mês, uma carta de apresentação à Academia Brasileira de Letras (ABL), confirmando sua candidatura à cadeira número 7 da instituição. Se for aceita, ela será a primeira mulher negra a ocupar uma cadeira na instituição. 

“Assinalo o meu desejo e minha disposição de diálogo e espero por essa oportunidade”.

Disse Conceição Evaristo no documento entregue à sede da ABL, no Rio de Janeiro.

A escritora oficializou sua candidatura após a circulação de uma petição online, feita por fãs e admiradores, em apoio à escolha de Conceição. A petição ganhou grande repercussão e já ultrapassou 20 mil assinaturas.

Com a candidatura, Conceição pleiteia a vaga deixada pelo cineasta Nelson Pereira dos Santos que faleceu em abril de 2018.

Sou Vozes-mulheres

A voz de minha bisavó
ecoou criança
nos porões do navio.
ecoou lamentos
de uma infância perdida.

A voz de minha avó
ecoou obediência
aos brancos-donos de tudo.

A voz de minha mãe
ecoou baixinho revolta
no fundo das cozinhas alheias
debaixo das trouxas
roupagens sujas dos brancos
pelo caminho empoeirado
rumo à favela.

A minha voz ainda
ecoa versos perplexos
com rimas de sangue
e
fome.

A voz de minha filha
recolhe todas as nossas vozes
recolhe em si
as vozes mudas caladas
engasgadas nas gargantas.
A voz de minha filha
recolhe em si
a fala e o ato.
O ontem – o hoje – o agora.

Na voz de minha filha
se fará ouvir a ressonância
o eco da vida-liberdade.

-Poema do livro “Poemas da recordação e outros movimentos”.

Quem é Conceição Evaristo

Aos 71 anos, Conceição Evaristo é professora universitária e escritora, tendo conquistado prêmios como o do Governo de Minas Gerais e o prêmio Jabuti, em 2015, com seu livro Olhos D’Água (2014). 

 

“A gente sabe falar pelos orifícios da máscara e às vezes a gente fala com tanta potência que a máscara é estilhaçada”.

 

Mestra em Literatura Brasileira pela PUC-Rio, doutora em Literatura Comparada pela Universidade Federal Fluminense e autora de romances como Insubmissas lágrimas de mulheres (2011) e Ponçá Vivêncio (2003), Conceição nasceu em  29 de novembro de 1946 na favela do Pindura Saia, na zona sul de Belo Horizonte (MG), onde cresceu com sua mãe e seus 9 irmãos.

De família pobre, teve que conciliar os estudos com o trabalho de empregada doméstica, até concluir o curso normal, em 1971. Mudou-se então para o Rio de Janeiro, estudou Letras na UFRJ e foi aprovada num concurso público para o magistério.

Sua estréia na literatura se deu em 1990, com textos publicados na série Cadernos Negros, do coletivo Quilombhoje.

Uma das principais expoentes da literatura brasileira, Conceição Evaristo é militante do movimento negro, com grande atuação político-social.

 

“A nossa escrevivência não pode ser lida como ‘canções para ninar os da casa grande’, mas sim para incomodá-los em seus sonhos injustos”.

 

Unindo simplicidade e refinamento literário, sua literatura aborda temas como a discriminação racial, de gênero e de classe, e suas obras dão voz às mulheres negras da periferia e as suas lutas, suas dores, suas afetividades, suas cores, suas inteligências. 

 

Entrevista para a Carta Capital

Em entrevista concedida à Carta Capital em maio de 2017, Conceição Evaristo conversa com Djamila Ribeiro sobre sua trajetória literária. Confira abaixo um trecho da entrevista (você pode ler a entrevista completa aqui):

Como foi pra você receber o prêmio Jabuti por Olhos d’ água?

Foi um momento muito feliz, mas ao mesmo tempo foi um prêmio da solidão. Eu desejei muito reconhecer ali os meus pares. E você vê que a literatura ainda é um espaço de interdição. A literatura como sistema, porque o texto é uma coisa, mas o sistema literário é formado por editoras, por críticos, pela mídia, pelas bibliotecas, livrarias, prêmios.

Nós podemos contar nos dedos os números de escritores negros que receberam o prêmio Jabuti. Um crítico literário pode dar visibilidade ao seu texto ao mesmo tempo que pode acabar com você como fizeram muitas vezes com a Carolina Maria de Jesus e continua se repetindo. O sistema literário está nas mãos das pessoas brancas.

Que dicas você daria para as mulheres mais jovens que sonham em ser escritoras?

A primeira dica que dou é dizer que a literatura é a arte da palavra. O bom musicista treina por horas, escuta música. Eu acredito inclusive naquele sujeito que é autodidata, que estuda muito também. Eu acredito que a gente precisa ter esse cuidado de que estamos produzindo arte. Você está lidando com a palavra e se a gente quer se colocar como alguém que está produzindo literatura, precisamos ter consciência daquilo que estamos produzindo. Não pode divagar: o primeiro exercício é escrever, depois a gente vê como publica. Mas vamos escrever primeiro e não cair na ilusão de que a literatura vai nos acolher logo. É um exercício de escrita e de militância.

 

Representatividade

A  Academia Brasileira de Letras é mais uma das instituições nacionais com sérios problemas de representatividade. Em seus 120 anos de existência, contou com apenas 8 mulheres em suas cadeiras: Rachel de Queiroz, Diná Silveira de Queirós, Ana Maria Machado, Cleonice Berardinelli, Rosiska Darcy de Oliveira, Lygia Fagundes Telles, Zélia Gattai, Nélida Piñon.

Caso seja admitida, Conceição Evaristo será a 9ª mulher e a 1ª mulher negra e a integrar a ABL.

Por Daniel Caseiro.

Leia também:
Com HQ sobre escravidão, brasileiro ganha o maior premio de Quadrinhos do mundo


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

 

Terça-feira, 24 de julho de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend