Em vídeo viral, ativista sueca barra deportação impedindo avião de decolar
Quinta-feira, 26 de julho de 2018

Em vídeo viral, ativista sueca barra deportação impedindo avião de decolar

“Enquanto uma pessoa estiver em pé, o piloto não pode decolar. Tudo o que eu quero fazer é parar uma deportação”. Foi assim que a jovem sueca Elin Ersson, de 21 anos, conseguiu impedir, sozinha, a decolagem de um avião que partia da Suécia para a Turquia, levando um homem afegão, de 52 anos, que estaria sendo deportado para seu país de origem.

Ersson, que é ativista e estudante de serviço social, descobriu que um homem estaria sendo deportado, e comprou uma passagem para o mesmo vôo. Ao embarcar, passou a transmitir ao vivo sua manifestação, em que se recusava a sentar-se enquanto o afegão não fosse retirado do avião.

 

+[ASSINANDO O +MAIS JUSTIFICANDO VOCÊ TEM ACESSO À PANDORA E APOIA O JORNALISMO CRÍTICO E PROGRESSISTA]+

 

Alguns passageiros, descontentes com o atraso causado pela ação, se posicionaram contra a manifestação. Um deles chegou a retirar o celular da mão da ativista, mas o aparelho foi logo devolvido por um comissário de bordo. “O que é mais importante? Uma vida ou seu tempo?”, indagou Ersson. “Quero que ele saia do avião porque não está seguro no Afeganistão. Não quero que a vida de um homem seja tirada só porque vocês não querem perder seu voo. Eu não vou me sentar até que esta pessoa seja retirada do avião”

Após cerca de quinze minutos de impasse, o afegão foi retirado do avião, sob aplausos de parte dos passageiros. Elin também se retirou. “Estou tentando mudar as regras do meu país. Não é certo mandar as pessoas para o inferno”. Em entrevista ao jornal inglês The Guardian, ela declarou que espera que as pessoas passem a questionar a maneira como os países tratam os refugiados. “Nós precisamos começar a enxergar as pessoas cujas vidas estão sendo destruídas por nossas políticas de imigração”.

Assista ao vídeo legendado:

 

 

Futuro Incerto

Elin Ersson contou ao The Guardian que é voluntária junto a grupos de refugiados há mais de um ano na Suécia. “As pessoas no Afeganistão não sabem se viverão por mais um dia. Eu venho trabalhando e conhecendo muitas pessoas do Afeganistão e, conforme ouço suas histórias, eu tenho cada vez mais certeza de que ninguém deve ser deportado para lá. Eu acho que nós podemos fazer melhor, especialmente em um país rico como a Suécia”.

O destino do homem que seria deportado naquele voo, no entanto, é incerto. De acordo com o governo sueco, os procedimentos de deportação seriam retomados assim que possível. Elin acredita que ele esteja sendo mandado para fora do país: “É assim que as deportações acontecem na Suécia. As pessoas envolvidas não ficam sabendo de nada, e não conseguem entrar em contato com seus advogados e seus familiares. Meu objetivo maior é acabar com as deportações para o Afeganistão”.

 

Leia também:

Cercas das nações e crise dos refugiados em tempos de Copa do Mundo

 


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

 

Quinta-feira, 26 de julho de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend