Lideranças indígenas protestam em Brasília contra parecer de demarcação de terras pró grileiros 
Sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Lideranças indígenas protestam em Brasília contra parecer de demarcação de terras pró grileiros 

Fotos: Em manifestação de 26 de abril de 2018, indígenas de todo o país realizam marcha pela demarcação de terras e a garantia de seus direitos, na Esplanada dos Ministérios. Marcelo Camargo/Agência Brasil. 

Fonte: Agência Brasil. 

Líderes Indígenas realizaram nesta quinta-feira (9) um ato no Memorial dos Povos Indígenas, em Brasília, contra o Parecer Normativo 001/2017, da Advocacia-Geral da União (AGU), que trata da demarcação de terras indígenas. Segundo o parecer, ratificado em julho do ano passado pelo presidente Michel Temer, em todos os processos de demarcação deverão prevalecer os parâmetros considerados no caso de Raposa do Sol, em Roraima, além da tese do marco temporal, que estabelece que os povos terão direito somente às áreas que já estivessem sob sua posse reconhecida em 5 de outubro de 1988, quando a Constituição Federal foi promulgada.

Indígenas de todo o país realizam marcha pela demarcação de terras e a garantia de seus direitos, na Esplanada dos Ministérios, em 26 de abril de 2018.

No protesto, programado para coincidir com o Dia Internacional dos Povos Indígenas, foi divulgada uma carta assinada pela Mobilização Nacional Indígena (MNI), coletivo que reúne mais de 120 entidades da sociedade civil. No documento, as organizações assinalam que, ao adotar o conceito de marco temporal, legaliza-se a violência à qual os povos indígenas foram submetidos antes de 1988.

Ignorando dados técnicos apresentados por integrantes do próprio governo que apontam que o parecer tem, de fato, paralisado as demarcações, o apelo do Ministério Público Federal que, através de documentos, demonstrou a inconstitucionalidade do parecer, e os apelos das lideranças que fizeram testemunhos sobre o aumento da violência contra as comunidades indígenas, a ministra [advogada-geral da União, Grace Mendonça] não só se recusou a discutir a revogação do Parecer 001/2017, como resolveu criar um Grupo de Trabalho (GT) para ‘aprimorar’ os entendimentos sobre ele, à revelia da posição das lideranças indígenas.

Escrevem as entidades, destacando que encaram o grupo de trabalho como uma estratégia do governo para prorrogar a vigência do parecer.

Indígenas de todo o país realizam marcha pela demarcação de terras e a garantia de seus direitos, na Esplanada dos Ministérios, em 26 de abril de 2018.

No entendimento de Antonio Carlos Alpino Bigonha, procurador da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal (MPF) – Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais, o parecer revela uma posição “antiquada” e, ainda, uma perspectiva jurídica “tosca”.

[O parecer] Gera uma grande insegurança jurídica para os grandes interessados, que são os indígenas, gera uma insegurança jurídica enorme para os órgãos de governo que têm interesse em atuar em prol da causa indígena e na sociedade civil como um todo, porque faz reacender antigas pretensões privadas contra o reconhecimento da posse tradicional. 

Afirmou, durante o protesto.

Indígenas de todo o país realizam marcha pela demarcação de terras e a garantia de seus direitos, na Esplanada dos Ministérios, em 26 de abril de 2018.

Na avaliação da coordenadora do Instituto Socioambiental (ISA) Adriana Ramos, os guarani e outros povos indígenas que residem em determinadas regiões do país, como o Sul e o Centro-Oeste, têm amargado situações mais críticas após a oficialização do parecer, sendo vítimas, inclusive, de racismo e violência física.

Na medida em que o Estado sinaliza publicamente que não está respeitando a Constituição, cumprindo seu papel de proteger essas populações, deixa-as mais vulneráveis à ação daqueles que, por interesses espúrios, preferem tirar essas pessoas, na marra, da sua frente, para ocupar de forma irregular seus territórios.

Destacou.

Leia mais:

Indígenas e quilombolas fazem manifestação em Brasília pelo direito à Permanência no Ensino Superior

Parceria entre MPT, MPF e Prefeitura de Caarapó permite construção de escola em área indígena

Indígenas enfrentam a maior ofensiva parlamentar em 20 anos

ISA e mais 38 organizações denunciam violação de direitos indígenas no Teles Pires

MPF cobra cumprimento de acordo para construção de escolas indígenas no Amazonas

Para MPF, redução de recursos da Funai representa retrocesso em políticas para indígenas

Indígenas são barrados em audiência da bancada ruralista; quatro foram presos

Em relatório, Cimi descreve ‘ataque ruralista’ generalizado contra povos indígenas

Como estão os indígenas após 10 anos de declaração da ONU

Índios Kanamari apontam massacre na segunda maior Terra Indígena do Brasil

Instituto denuncia tratamento “bizarro” de governo Temer com indígenas

Universidade do Estado da Bahia terá cotas para pessoas trans


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

 

Sexta-feira, 10 de agosto de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend