Mortalidade materna cresce no Brasil; Aborto inseguro é uma das principais causas 
Quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Mortalidade materna cresce no Brasil; Aborto inseguro é uma das principais causas 

Fonte: Radioagência Nacional

O indicador que mede a mortalidade materna no Brasil cresceu em 2016, com 64 mortes por 100 mil nascidos vivos. O aborto inseguro é uma das principais causas, além da falta de assistência à saúde básica. Este é o índice mais alto desde 2010. Sete dos nove estados da Amazônia Legal registraram índices de mortalidade materna maiores que a média nacional. Entre os estados com indicadores mais elevados estão Amapá, Maranhão, Tocantins e Amazonas.

A maternidade dilacera

No Amapá, em 2016, foram 141 mortes por 100 mil nascidos vivos, quase a mesma média nacional de 1990 e mais que o dobro da média atual. De acordo com Hely Góes, secretária adjunta de Atenção à Saúde do Amapá, houve subnotificação em anos anteriores, mas o governo estadual reconhece a gravidade do problema e trabalha para aumentar o número de médicos. Também estão em andamento ações para fortalecer o atendimento pré-natal em diálogo com as prefeituras, responsáveis por essa assistência.

Tem algumas questões que nos chamaram bastante atenção, uma delas a gravidez na adolescência. Adolescente grávida, que não teve orientação, que escondeu a gravidez por um tempo. Isso vem sendo trabalhado, provocado a atenção primária para que ela faça educação em saúde. O Programa Saúde na Escola também tem tratado essas questões.

Além das adolescentes, as mulheres hipertensas ou que passaram por situações de abortamento inseguro estão entre as vítimas da mortalidade materna na Amazônia Legal. As mulheres negras são maioria nesses dois grupos. Maria Inês Barbosa, pesquisadora e professora aposentada da Universidade Federal do Mato Grosso, chama a atenção para o racismo institucional e a redução nos recursos para políticas sociais como grandes desafios. 

Somos nós que precisamos ter, e temos feito isso, de reverter essa situação e de nos empoderarmos em relação a isso. Quando você junta desemprego, fome, moradias precárias, você está com todo um contexto que favorece esse recrudescimento, essa mentalidade do não importa.

A morte materna é aquela que acontece durante a gestação, parto ou até 42 dias após o parto. Em quase todos os casos, essas mortes são evitáveis e geralmente estão relacionadas com problemas de saúde como hipertensão, hemorragia ou infecções ou então com práticas de abortamento inseguro.

Estado e a gestão da maternidade: o que dizem as quatro interpelações da América Latina

O Ministério da Saúde afirma que na série histórica, entre 1990 e 2015, a mortalidade materna no Brasil caiu 57%. Solicitamos informações sobre as ações para a redução da mortalidade materna na Amazônia, mas até o fechamento dessa reportagem não obtivemos retorno.

 

Leia mais sobre o aumento da desigualdade social no Brasil:

O Brasil que eu quero

6 em cada 10 crianças brasileiras vivem na pobreza constata estudo inédito da Unicef

Com reajuste, salário de ministros do STF equivalerá a 39 salários mínimos

Extrema Pobreza atinge níveis de 12 anos atrás e Brasil deve voltar ao Mapa da Fome

Com lucros bilionários, bancos não querem aumentar salário por quatro anos consecutivos

População em situação de rua passa de 20 mil e leva prefeitura de SP a antecipar censo

Quase 11 mil pessoas vivem em imóveis abandonados na capital paulista

Mais de 7 mil prefeitos e secretários têm suas contas consideradas irregulares pelo TCU

 

Leia mais sobre a descriminalização do aborto no STF:

“A criminalização do aborto é incompatível com a garantia de assistência plena à saúde e à vida das mulheres”

Como seu candidato à presidência pensa sobre a legalização do aborto

Aborto: veja as falas no STF de Débora Diniz e outros especialistas pela descriminalização

Estado e a gestão da maternidade: o que dizem as quatro interpelações da América Latina

Maria, mulher e cristã, defende o aborto no STF

Aborto: 65% dos católicos e 59% dos evangélicos são a favor da legalização, diz estudo

“Próximo tempo é de reflexão”, diz Rosa Weber ao final de audiência sobre aborto

Após derrota da legalização, Argentina deverá propor a descriminalização do aborto

Com a hashtag #YoAborte, argentinas compartilham experiências de aborto

Religiões não precisam ser incompatíveis com Direitos Humanos


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

 

Quarta-feira, 15 de agosto de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend