Um grande acordo de queima, com museus, com tudo!
Segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Um grande acordo de queima, com museus, com tudo!

Imagem: EBC

Vivemos tempos temerosos para homens e pedras. E é preciso temer também pelo patrimônio brasileiro.

O fantástico meteorito de Bendegó, a maior pedra vinda do espaço ao território brasileiro, com 5260kg, possivelmente agora está derretida com o incêndio do Museu de RJ. Mesmo Luzia, nosso fóssil ancestral mais antigo, resistiu ao tempo, mas não ao desmazelo do Brasil com sua cultura.

O Museu precisava de pouco para se manter em comparação ao rombo de 8 bi decorrente do aumento de vencimento da monarquia togada brasileira. Monarquia que, diferente daquela que se preocupou em fundar o Museu do RJ, vê-se desprestigiada aos olhos da sociedade, por estar atualmente envolta em lobby para aumentos próprios.

O governo federal fez sua escolha do que era prioridade em seu orçamento. Mas o Museu não estava sob a administração da UFRJ? Ora, e se pode inocentar uma política que desmantela universidades, sufoca-as financeiramente, congela investimentos na área por décadas e faz letra morta a autonomia universitária ao definir os repasses que custearão suas despesas?

 

+[ASSINANDO O +MAIS JUSTIFICANDO VOCÊ TEM ACESSO À PANDORA E APOIA O JORNALISMO CRÍTICO E PROGRESSISTA]+

 

Com Universidades atadas em sua autonomia financeira, não há muitos meios hábeis à disposição para defender do patrimônio da pesquisa, cultura e educação. Como lembra Brotti[1] (2000, p. 80), “a autonomia de gestão financeira é apontada por praticamente todos como o grande limitador da autonomia plena na universidade. Ela é o “gargalo” que estrangula a autonomia universitária.”

 

Eu vejo o futuro repetir o passado. Eu vejo um museu de grandes novidades.

 

As conseqüências trágicas decorrentes dos deficitários (quando não dizer ausentes) programas de investimento nos setores da educação, cultura, pesquisa científica é uma infeliz parte da história da política brasileira que resiste constantemente ao fogo.

Aliás, o próprio estrago de natureza incendiária é algo recorrente no patrimônio histórico, artístico e cultural brasileiro, com reflexos também em fatalidades. Ainda é recente na memória baiana o incêndio que destruiu um casarão antigo na cidade tombada de Cachoeira, na região do Recôncavo, fatalizando duas vítimas. Já em São Paulo, o incêndio na Estaçãozinha de Jundiaí, com sua arquitetura centenária em processo de tombamento, mostrou também o quanto a história é relegada apenas aos bastidores mais baratos dos livros ou salas de aula, mas esquecida no plano prático, e mais caro aos cofres públicos, da conservação e segurança preventiva.

O artifício do fogo é um conhecido na história brasileira como instrumento de desconstrução da memória; um modus operandi comum para a consecução de uma política do esquecimento (ANSARA, 2012)[2] cuja tentativa é a de redimir com fogo os males da nação[3].

 

Como esquecer o reprisado efeito ato de Nero cometido pelo jurista Ruy Barbosa ao determinar a queima dos arquivos que registravam dados sobre a escravidão no Brasil, que, para os estudiosos da negritude e afrocultura, “privou os historiadores futuros de uma fonte de grande importância para a avaliação das proporções da escravidão no Brasil”?![4]

 

Transformam um país inteiro num puteiro. Pois assim se ganha mais dinheiro.

 

A lógica da privatização, desregulação, mercadorização e globalização sujeitam às universidades a um paradigma empresarial de necessidade de maximização de rentabilidade cruel[5] que as transforma num mercado e impõe sua lógica: ou dá lucro, ou não vale à pena existir. Foi por essa perspectiva que nos últimos três anos a direção do Museu Nacional recebeu apenas dois terços dos repasses de verbas, mediante corte do orçamento da UFRJ.

Somente um projeto de investimento pautado em orçamento próprio com fins à conservação, segurança e desenvolvimento técnico-científico ao Museu teria salvado-o.

Mas museus não fazem grandes acordos nacionais, não possuem bancada no Congresso e não detêm força política para lobby. Num contexto eleitoral em que estamos na iminência de decidir pelo retorno às concepções próprias dos albores medievais, com candidatos a governantes para os quais a educação e respeito à diversidade da cultura são pautas secundárias, terciárias etc, e a história um conto sob a ótica dos lobos, o patrimônio histórico brasileiro, material e imaterial, passa por um processo sistêmico de falência, numa crônica de tragédias anunciadas.

Luzia e Bendegó não sobreviverão para ver o fim dessa história. Nós permaneceremos como o registro testemunhal de uma política de desmoronamento ético e patrimonial, até, quiçá, sermos também atirados na fogueira do processo de descarte e esquecimento destinado aos obstáculos do retorno do poder político feudal…

 

Com museus, com tudo!

 

Lucas Correia de Lima é mestrando pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e advogado.


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

 


[1] BROTTI, M. G. Autonomia na universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.
[2] ANSARA, S. Políticas de memória X políticas do esquecimento: possibilidades de desconstrução da matriz colonial. Rev. psicol. polít.,  São Paulo,  v. 12, n. 24, p. 297-311, ago.  2012.
[3] DANTAS, M. Africanos Livres: Agentes da liberdade no Brasil novecentista.  Belo Horizonte: Varia Historia, vol. 34, n. 65, p. 567-570, mai/ago 2018.
[4] MOURA, C. Dicionário da escravidão negra no Brasil. São Paulo: EDUSP, 2013, P. 65.
[5] SANTOS, B. S. Pela mão de Alice: O Social e o político na Pós-Modernidade. São Paulo: Cortez, 2013.
Segunda-feira, 3 de setembro de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend