Pesquisa apresenta a uberização do trabalho como nova forma exploração neoliberal
Quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Pesquisa apresenta a uberização do trabalho como nova forma exploração neoliberal

Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O projeto da Fundação tem como objetivo qualificar e ampliar o debate sobre possíveis políticas públicas que girem em torno das vivências e necessidades das periferia

Por Caroline Oliveira

No dia 30 de agosto, a Fundação Perseu Abramo (FPA) lançou o segundo dossiê do projeto Reconexão Periferias. “Informalidades: realidade e possibilidades para o mercado de trabalho brasileiro” levanta como o trabalho se dá em regiões periféricas e entre populações marginalizadas do Brasil, habitualmente precarizado, informal e sem direitos. Sob essa perspectiva, a pesquisa trata das tendências que costuram a informalidade no atual cenário do País.

Segundo Léa Marques, coautora da pesquisa e cientista social, a pesquisa parte da desconstrução do antigo conceito de trabalho informal, organizado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) na década de 1970.

A definição reconfigurava a dualidade entre formalidade e informalidade reformulada pela dicotomia entre moderno e atrasado. Para ela, isso se tornou um impasse, uma vez que as formas de contratação e subordinação, como pejotização e uberização, variaram significativamente. Além disso, a ideia excluía “as atividades informais como um nicho capaz de promover geração de empregos para a população mais pobre e com baixo nível de escolaridade”.

No entanto, se antes havia somente a supressão, essa , porém continua. No entanto, vem invisibilizada por trajes de empreendedorismo, tornando-se difícil escapar da dicotomia mencionada acima.

 

+[ASSINANDO O +MAIS JUSTIFICANDO VOCÊ TEM ACESSO À PANDORA E APOIA O JORNALISMO CRÍTICO E PROGRESSISTA]+

 

Uberização e informalidade

De acordo com Ludmila Costhek Abílio, também coautora do trabalho, a nova configuração se dá por meio um trabalhador que é “nano empreendedor” de si mesmo e possui os meios de produção – aquele que trabalha com Uber, por exemplo, muitas vezes, é proprietário do automóvel –, mas não tem qualquer vínculo empregatício ou estabilidade. “É essa a condição que trata a uberização do trabalho, são décadas de neoliberalismo e ataques ao trabalhador”, afirmou a pesquisadora durante o lançamento do dossiê.

Por esse ângulo, o trabalho informal é central para entender o desenvolvimento capitalista na periferia e continua sob a lógica entre o moderno e o atrasado, apresentado como algo “marginal e que não foi integrado no sistema”.

O dossiê “Informalidades: realidade e possibilidades para o mercado de trabalho brasileiro” também foi escrito por Artur Henrique, diretor da FPA e ex-secretário Municipal de Trabalho e Empreendedorismo de São Paulo, e Daniel Teixeira, advogado e diretor de projetos do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT).

 

Leia mais: 
Fundação Perseu Abramo lança Dossiê das Periferias
Curtir funk, só na Vila Madalena

 

Dossiê Reconexões Periféricas

O projeto da Fundação tem como objetivo qualificar e ampliar o debate sobre possíveis políticas públicas que girem em torno das vivências e necessidades das periferias. O primeiro dossiê foi o “Cultura e reexistências nas periferias”. Juliana Borges, colunista do Justificando e uma das autoras do documento explica que “reexistência significa o movimento de reinvenção, de reformulação, de não ser simplesmente determinado a partir do olhar do outro, mas também uma forma de se apresentar, de apresentar o que pensa sobre si”.

Para Borges, isso é perceptível atualmente. “Esses sujeitos, esses corpos periféricos, começam a se colocar e a disputar a ideia que se tem da periferia, e começam a ressignificar o que é ser periférico”, afirma.

O próximo e último dossiê discutirá o tema da violência.

 


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

 

Quarta-feira, 5 de setembro de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend