Descriminalização de relações LGBTI+ marca uma nova era de direitos na Índia
Quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Descriminalização de relações LGBTI+ marca uma nova era de direitos na Índia

Foto: Reprodução.

Fonte: Anistia Internacional

A decisão histórica da Suprema Corte da Índia de descriminalizar relações consensuais entre pessoas do mesmo sexo é um passo histórico e envia uma mensagem de esperança não apenas para lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e intersexuais (LGBTI), mas para todos que lutam por justiça e igualdade, disse a Anistia Internacional Índia.

O julgamento encerra um capítulo sombrio da história indiana e sinaliza uma nova era de igualdade para milhões de pessoas na Índia. A vitória extraordinária de é um marco na luta de três décadas da comunidade LGBTI e seus aliados na Índia.

Disse Asmita Basu, diretora de programas da Anistia Internacional Índia.

No dia 6 de setembro, um tribunal de cinco juízes da Suprema Corte descriminalizou relações consensuais entre pessoas adultas do mesmo sexo. O veredicto unânime da Corte confirmou o direito à igualdade, privacidade, dignidade e liberdade de expressão de todas as pessoas, independentemente da orientação sexual. A Corte acrescentou que qualquer discriminação com base na orientação sexual é uma violação dos direitos fundamentais garantidos pela Constituição da Índia.

Como o Dr. Martin Luther King Jr. disse, ‘o arco do universo moral é longo, mas se inclina na direção da justiça’. O artigo 377, tal como está, violou os padrões básicos de direitos humanos em matéria de igualdade, privacidade e dignidade. Enquanto o julgamento responde à invalidade constitucional do artigo 377, a luta pelos direitos das pessoas LGBTI continua, inclusive em relação ao casamento, adoção ou herança.

Disse Asmita Basu.

 

Contexto

O artigo 377 do Código Penal Indiano que criminaliza o “relacionamento carnal contra a ordem da natureza” é uma lei arcaica de 157 anos de idade. No início dos anos 90, grupos de direitos humanos iniciaram sua campanha incansável para revogar o artigo 377.

Em um julgamento histórico em julho de 2009, o Supremo Tribunal de Deli determinou que a proibição de relações homossexuais entre adultos viola os direitos humanos básicos. O caso que contesta a constitucionalidade do artigo 377 foi iniciado pela Fundação Naz, uma organização que trabalha com questões de saúde sexual.

A luta pela igualdade de direitos continuou com a decisão do Supremo Tribunal de Deli sendo anulada pela Suprema Corte em 2013, afirmando que a revogação é uma questão para o Parlamento e não para o Judiciário. Várias medidas de revogação foram arquivadas, mas não ouvidas. O presente veredicto da Suprema Corte se refere a um caso composto por um novo pedido que foi apresentado por cinco peticionários, junto com recursos anteriores e pedidos que foram registradas ao longo dos anos.

 

Leia mais:

Planos de governo dos presidenciáveis e os direitos humanos LGBTI

Entidades e empresas lançam Carta de Apoio à Inclusão de pessoas LGBT+ no ambiente de trabalho

Bolsonaro réu: STF decide amanhã. Entidades LGBTI+ lembram supremo de sua própria jurisprudência e doutrina

A Impunidade de Bolsonaro é uma Facada no Estado de Direito 


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Quarta-feira, 12 de setembro de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend