Autoridades têm o dever de parar de criminalizar e matar jovens vivendo na pobreza
Segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Autoridades têm o dever de parar de criminalizar e matar jovens vivendo na pobreza

Foto: Reprodução.

Fonte: Matéria originalmente publicada pela Anistia Internacional

O estado venezuelano está usando força letal com a intenção de matar as pessoas mais vulneráveis e socialmente excluídas do país. Está violando seus direitos e tratando-as como criminosas por causa das circunstâncias em que vivem, quando deveria implementar políticas de controle preventivo contra o crime que se alinhem com os padrões internacionais de direitos humanos, disse a Anistia Internacional em um relatório publicado hoje.

O governo do presidente Maduro deveria garantir o direito à vida, em vez de tirar a vida dos jovens do país. Todos os jovens vivendo na pobreza deveriam ter oportunidades iguais para o futuro e não viver com o medo de que a polícia ou os militares os vejam como inimigos que devem ser erradicados.

Disse Erika Guevara-Rosa, diretora de Américas da Anistia Internacional. 

O relatório “Isso não é jeito de viver: A segurança pública e o direito à vida na Venezuela” evidencia a responsabilidade do Estado venezuelano por violações do direito à vida e à integridade física de milhares de pessoas. O Estado está não apenas deixando de garantir a vida e a segurança da população no contexto de níveis alarmantes de insegurança, mas também implementando medidas repressivas usando métodos militares, supostamente para combater o crime. O resultado até agora foi de mais de 8.200 execuções extrajudiciais entre 2015 e junho de 2017.

No ano passado, pelo menos 95% das vítimas de homicídio – tanto no contexto do crime como nas mãos das forças de segurança – eram homens jovens com idades entre 12 e 44 anos que vivem nos bairros mais pobres do país. Quase 90% dos homicídios registrados são cometidos com armas de fogo nas áreas urbanas e nas áreas rurais onde há altos níveis de atividade ilícita, como a mineração ilegal.

Em 2016, a Venezuela registrou a taxa de homicídios mais alta de sua história, com mais de 21.700 pessoas perdendo a vida devido à insegurança do país. Levando em conta que cada pessoa morta por armas de fogo sobrevive em média a três ou quatro outras vítimas da mesma violência, a Anistia Internacional estima que entre 65 e 87 mil pessoas foram vítimas de violência somente naquele ano.

Em 2017, o governo venezuelano forneceu números imprecisos em uma imagem de PowerPoint divulgada em um tweet sem dados abertos ou confiáveis ​​que omitiam completamente as mortes cometidas pelas forças de segurança, o que colocaria a taxa de homicídios em 62 por 100 mil habitantes. Números de organizações não-governamentais dizem que esse número chega a 89 por 100 mil habitantes.

A Anistia Internacional observou que, apesar da implementação de pelo menos 17 planos de segurança nos últimos 17 anos, o Estado não cumpriu suas obrigações para prevenir a violência armada e suas consequências. O Estado também falhou em seu dever de investigar e punir violações de direitos humanos e de prover reparações às vítimas. Em vez disso, as autoridades declararam publicamente que matar pessoas no contexto de operações de segurança é uma prática bem-sucedida, apesar do fato de isso constituir um claro retrocesso em relação às garantias dos direitos humanos, bem como uma brecha na lei em relação ao procedimento policial.

A Venezuela vive uma séria crise de direitos humanos há vários anos. A Anistia Internacional expôs consistentemente graves violações dos direitos à saúde e à alimentação; a prática persistente de detenções arbitrárias politicamente motivadas; tortura e outros tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes; e o uso de tribunais militares para julgar civis, entre outras violações de direitos civis e políticos.

Uma das consequências mais notáveis dessas violações em massa dos direitos humanos e da falta de segurança pública tem sido o aumento dramático no número de pessoas que fogem para outros países, principalmente nas Américas. A ONU estima que 2,3 milhões de pessoas deixaram a Venezuela desde 2014.

A Venezuela está passando por uma das piores crises de direitos humanos de sua história. A lista de crimes sob as leis internacionais contra a população está crescendo. É alarmante que, em vez de aplicar políticas públicas eficientes para proteger as pessoas e reduzir os níveis de insegurança, as autoridades venezuelanas estejam usando a linguagem da guerra para tentar legitimar o uso de força excessiva por parte de policiais e oficiais militares e, em muitos casos, uso de força letal com intenção de matar.

Disse Erika Guevara-Rosas.

O governo deve lançar urgentemente um programa nacional para reduzir os homicídios e implementar efetivamente um modelo de policiamento que inclua diretrizes sobre o uso proporcional e diferenciado de força e armas de fogo, que cumpra plenamente com as normas e padrões internacionais de direitos humanos.

A Anistia Internacional conclama o Estado venezuelano a implementar um plano de segurança pública que respeite o direito a um julgamento com todas as garantias do devido processo legal e, especialmente, a eliminação de atrasos e falhas processuais no sistema de justiça criminal venezuelano. As autoridades devem reduzir os altos níveis de impunidade nos casos de violações de direitos humanos e homicídios, e garantir que os familiares das vítimas obtenham uma reparação justa, incluindo compensação adequada, apoio psicossocial e garantias de não repetição.

Baixe o relatório em inglês ou espanhol AQUI.

Leia mais:

Ouvidoria aponta excesso da polícia em 74% dos casos de mortes em SP

14 pessoas morrem por dia no Brasil em ações policiais

Penitenciária para 542 presos é interditada após acumular 1.281 encarcerados

ONU: Encarceramento em massa cresce no mundo, apesar da diminuição da criminalidade

Aumento da criminalidade: violência policial e encarceramento não resolvem problema da segurança

Como fabricar um culpado

Como a justiça condenou uma jovem negra por roubo apesar das provas de que ela não estava na cidade 

Luto para manter meu corpo longe das mãos do Estado

Da difícil arte de ser Jhonathan ou Como o estado não sabe que você existe, mas a polícia te encontra

Por que a PM é tão avessa aos direitos humanos?

Justiça condena Estado por abordagem violenta da PM contra pai e filho de 13 anos

 


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Segunda-feira, 24 de setembro de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend