Projeto “Do baque ao crack” roda o Brasil para realizar balanço dos 30 anos da redução de danos no país
Quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Projeto “Do baque ao crack” roda o Brasil para realizar balanço dos 30 anos da redução de danos no país

Foto: Divulgação.

Após quase trinta anos de respostas satisfatórias à epidemia de HIV/AIDS entre os usuários de drogas, faz-se necessário realizar um histórico, mapeamento e balanço das ações de redução de danos em nível nacional. Por essa razão, o Centro de Convivência É de Lei deu início ao projeto “Do baque ao crack: 30 anos de redução de danos no Brasil”, que contará com eventos nas cinco regiões do país, além de um encontro nacional sediado em São Paulo entre os dias 10 e 12 de dezembro.

A redução de danos caracteriza-se como uma abordagem ao fenômeno das drogas que visa minimizar danos sociais e à saúde associados ao uso de substâncias psicoativas.

Explica o Centro de Convivência É de Lei.

O início destas intervenções foi marcado por ações no campo da saúde, que hoje tem se ampliado da esfera do direito à saúde para a do direito à cidadania e dos Direitos Humanos. 

Desde seu início, na última semana, duas cidades já foram visitadas: Salvador (BA) e Campo Grande (MS). As próximas ações do projeto serão realizadas em Santos (SP), Porto Alegre (RS) e Palmas (TO). Além de participações em eventos sobre redução de danos, o É de Lei também realizará rodas de conversas com os serviços públicos municipais e organizações da sociedade civil, além de visitá-los, com o intuito de trocar saberes entre equipes, usuários e usuárias dos serviços e profissionais da rede.

 

Leia mais:

HIV e o conceito jurídico de pessoa com deficiência: o caso Talía Gonzales Lluy versus Equador

 

O marco de três décadas do início de intervenções baseadas na redução de danos vem ao encontro dos 20 anos do É de Lei, considerado o primeiro centro de convivência para pessoas usuárias de drogas do Brasil. Nesse sentido, a presença da organização em cidades como Salvador, Porto Alegre e Santos, que registram as primeiras ações em redução de danos do Brasil, promoverá a interlocução entre diversas instituições e atores do campo da redução de danos, produzindo novas sínteses e compreensões acerca do fenômeno do uso de drogas, ISTs, HIV/Aids e seu cuidado.

As práticas de redução de danos buscam a socialização política de usuários de drogas de maneira crítica, no sentido de tornarem-se protagonistas, de promoverem o auto-cuidado com a saúde e a busca por direitos, pela discussão de políticas governamentais e políticas de estado, numa perspectiva que passa pelo individual e também pelo coletivo. 

Informa o Centro.

Para Maria Angélica Comis, articuladora do Projeto “Do baque ao crack”e coordenadora de advocacy do É de Lei:

É fundamental disseminar e sensibilizar as populações-chave, profissionais da rede de atenção psicossocial, bem como a população em geral sobre a importância e as diversas possibilidades de práticas em redução de danos que são efetivas no enfrentamento da epidemia de HIV/Aids, da miséria e da desigualdade social, e na contribuição para a garantia e fortalecimento de direitos e da democracia.

O balanço desse mapeamento será apresentado em um encontro nacional, organizado pelo É de Lei entre os dias 10 e 12 de dezembro, na cidade de São Paulo, que contará com convidados e convidadas de todo o Brasil para discutir os avanços e desafios da redução de danos no país. O evento também terá uma mostra cultural com a linha do tempo da redução de danos e da história do Centro de Convivência.

Confira os registros dos eventos de Salvador e Campo Grande.

Acompanhe o Projeto nas redes sociais.

Leia mais:

Como seu candidato à presidência pensa sobre a política de drogas

Se aprovado, projeto de lei impedirá 74% das condenações por tráfico de drogas

Nova Política de Drogas | Justificando Entrevista Nathália Oliveira

A hipocrisia da guerra às drogas não tem ideologia

Brasil nunca esteve preparado para a criminalização das drogas

Guerra às drogas: reprodução e manutenção da desigualdade sócio-racial brasileira

Em carta, entidades de direitos humanos pedem revisão na política de drogas

Canadá legaliza uso recreativo da Maconha

Portugal avalia a descriminalização radical das drogas


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Quinta-feira, 27 de setembro de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend