Teólogas, estudiosas da Bíblia, se manifestam contrárias ao candidato Jair Bolsonaro
Quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Teólogas, estudiosas da Bíblia, se manifestam contrárias ao candidato Jair Bolsonaro

Arte: Caroline Oliveira

Com o compromisso social herdado da Teologia da Libertação e da Teologia da Missão Integral, num  momento como o que vivemos, essas mulheres não poderiam ficar caladas e não se posicionarem

Por Simony dos Anjos

Como a maioria das ciências, a Teologia é feita, predominantemente, por homens. As interpretações mais aceitas da Bíblia, dos seminários aos púlpitos das Igrejas, são feitas por homens e para homens. Produzir uma teologia da perspectiva da mulher é um desafio que muitas teólogas, estudantes de teologia e biblistas têm enfrentado, e têm sido muito exitosas em suas empreitadas, pois, mesmo com a falta de apoio, com a invisibilização e com a perseguição, muitas de nós têm produzida boa teologia.

A Teologia Feminista nasce como uma teologia engajada e comprometida com a luta contra as injustiças sociais, a opressão de gênero e contra o patriarcado. Muitas de nós são isoladas, postas de lado e desencorajadas a prosseguir com uma apropriação da bíblia que visa libertar a mulher das opressões características da religião cristã. Ivone Gebara, por exemplo, teóloga brasileira de expressão, foi punida com dois anos de silêncio forçado, por partir da epistemologia teológica feminista.

Com o compromisso social herdado da Teologia da Libertação e da Teologia da Missão Integral, num  momento como o que vivemos, essas mulheres não poderiam ficar caladas e não se posicionarem. Assim, reunidas escreveram um manifesto contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), convidando a todos cristãos e cristãs a não apoiarem o discurso de ódio promovido por tal candidato.

 

+[ASSINANDO O +MAIS JUSTIFICANDO VOCÊ TEM ACESSO À PANDORA E APOIA O JORNALISMO CRÍTICO E PROGRESSISTA]+

 

Leia o manifesto abaixo na íntegra:

“Manifesto de Teólogas contra o Bolsonaro

Nós, teólogas e estudiosas da bíblia, biblistas populares, professoras de teologia e ativistas cristãs pelos Direitos Humanos, nos manifestamos contrárias ao candidato Jair Bolsonaro. Em primeiro lugar, pelo fato dele disseminar o ódio, a violência e a truculência, o que acreditamos contradizer os ensinamentos de Jesus, que era um homem pacificador.

Em segundo lugar, porque as falas, os projetos e a postura do referido candidato têm, uma a uma, atacado nossas existências e direitos das mulheres, o que nos entristece, muito. Lembramos a todo cristão e cristã, católico ou evangélico, que as Igrejas são mantidas em sua grande maioria pelo trabalho voluntário de mulheres e que todas as obreiras, ministras e diaconisas serão as maiores atingidas por Leis que possam atentar contra as vidas das mulheres.

O referido candidato, também, tem ferido a constituição – que completou 30 anos em 5 de outubro, último – quando diz que o Brasil deve ser um Estado Cristão. Como estudiosas da Bíblia, cremos que devemos separar o Estado de nossa religião, assim como Jesus nos orientou em Mateus 22. Acreditamos que um candidato que se apoia na fé para ganhar votos não seja o melhor representante para a nossa democracia. Acreditamos que ser pacífica, como Jesus foi, é denunciar o erro e a injustiça, contudo sem pregar o ódio, violência e rancor.

Acreditamos que um cristão age por princípios cristãos e nunca em nome de Deus, aliás, um Deus que tem sido descrito como um Deus vingativo. Lembramos às comunidades cristãs, que dos atributos de Deus: Verdade, Justiça, Poder e Amor, apenas o amor nos é dado por mandamento. Assim, convocamos a toda pessoa que confessa a Jesus, a levar em consideração a pessoa de Jesus e ver se o Jair Bolsonaro reflete a sua personalidade.

Por fim, juntas, oramos a oração de São Francisco, para que todo cristão possa, nesse clima de polaridade, levar paz, amor e escolher o lado dos pobres, sempre!

Senhor, fazei de mim um instrumento da Vossa paz.

Onde houver ódio, que eu leve o amor.

Onde houver ofensa, que eu leve o perdão.

Onde houver discórdia, que eu leve a união.

Onde houver dúvidas, que eu leve a fé.

Onde houver erro, que eu leve a verdade.

Onde houver desespero, que eu leve a esperança.

Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.

Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, fazei que eu procure mais:

consolar que ser consolado;

compreender que ser compreendido;

amar que ser amado.

Pois é dando que se recebe,

É perdoando que se é perdoado

E é morrendo que se vive para a vida eterna!”

Para toda mulher cristã que quiser assinar esse Manifesto, basta apenas preencher o seguinte formulário clicando aqui

 

Simony dos Anjos é graduada em Ciências Sociais (Unifesp), mestranda em Educação (USP) e tem estudado a relação entre antropologia, educação e a diversidade.

 

Leia mais:
A Constituição não é sua por direito – Pelo fim da Ingenuidade Constitucional
Acesso à Justiça e os 30 anos da Constituição Federal
Os 30 anos da Constituição e o mito da Fênix
Quem tem medo da Constituição?


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

 

Quinta-feira, 11 de outubro de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend