Você contrataria Bolsonaro para sua empresa?
Quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Você contrataria Bolsonaro para sua empresa?

Arte: Daniel Caseiro.

O único modo de testar a competência técnica de alguém é avaliar a eficiência daquilo que ela faz. Todos em suas profissões têm missões, metas e objetivos a cumprir. Se a empregada doméstica não limpar bem, é pouco competente tecnicamente. Se o médico não conseguir curar, podendo, é pouco competente tecnicamente. Se o cineasta não conseguir encantar, é pouco competente tecnicamente.

Com políticos deve(ria) valer a mesma lógica. Promessas, currículos e contextos partidários podem seduzir ou macular a candidatura de alguém, mas não podem servir de régua para avaliar competências. Competência se mede com eficiência, com saber-fazer, com resultado. Competência é fazer bem feito aquilo que a função pede.

Claro que para governar o Brasil, além de competência técnica é preciso, antes, honestidade, especialmente nessa eleição que tem como pano de fundo o combate ao câncer da corrupção. Mas afinal, se cremos em nossas instituições e em nossas leis, ambos candidatos desse segundo turno são ficha limpa. Acusar de corrupto quem é, a princípio, honesto, é desonestidade de quem não quer falar sério sobre os rumos políticos do país.

Se promessas não são dados e ideologias não podem, por si sós, tornar um profissional mais ou menos eficiente, cabe analisar, inarredavelmente, a história de competência de alguém que se queira avaliar para determinada função. 

Bolsonaro, em 27 anos como profissional da política, aprovou 2 míseros projetos. A média de Bolsonaro é de 1 êxito profissional a cada 13 anos de trabalho. Bolsonaro, nesses 27 anos, já custou algo em torno de R$ 54 milhões aos cofres públicos… Tudo isso para, repito, 2 projetos. A julgar pela competência técnica, nenhuma empresa contrataria ou manteria o contrato de trabalho de um sujeito como Bolsonaro.

Ainda que tenha apresentado outros projetos, Bolsonaro não teve competência técnica – a competência estrita da articulação política – para aprová-los. Afinal, não é exatamente a negociação, em nossa particular política de coalizão tupiniquim, a competência das competências dos políticos?

Mas Bolsonaro pretende um cargo executivo. Se como legislador seu histórico é péssimo, como gestor e administrador ele é um absoluto inexperiente. Bolsonaro nunca administrou nada: uma bodega, uma banquinha de cachorro quente, um puteiro, uma empresa de pregos de aço ou uma banca de revistas.

Esqueça a questão partidária. Esqueça os discursos. Esqueça o lado da guerra política onde você pensa estar. Esqueça as sempre traiçoeiras promessas. Esqueça tudo isso e reflita: é esse sujeito que vamos contratar para administrar o Brasil?

Paulo Ferrareze Filho é doutor em Filosofia do Direito (UFSC), mestre em Hermenêutica Jurídica (UNISINOS), professor de Psicologia Jurídica, advogado e curador do Caos Filosófico de Balneário Camboriú/SC.

Leia mais:


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Quarta-feira, 24 de outubro de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]