Festival Percurso se propõe a ser o maior terreiro do mundo
Quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Festival Percurso se propõe a ser o maior terreiro do mundo

Por Gabriel Prado

A intolerância religiosa sofrida pelas religiões de matriz africana marcaram o ano de 2018. Terreiros foram invadidos e depredados pelo país, além de terem sido alvo de ações judiciais e denúncias de motivação religiosa. Neste cenário, o Festival Percurso 2018 – de Jardim a Jardim 2018 tem como tema #omaiorterreirodomundo. Recebendo mais de 40 atrações, o festival acontece na Praça do Campo Limpo reunindo economia solidária, conexão cultural das periferias de São Paulo e lideranças religiosas de povos originários que formam juntos um grande terreiro a céu aberto.

Sob a organização da Agência Popular Solano Trindade em parceria com o movimento de Jardim a Jardim, o evento terá atrações como Xaxado Novo, Mestre Tião Carvalho – comemorando os 40 anos de carreira, Abôrigens, Jardim a Jardim e Curumin, Bia Ferreira, Maracatu Nação Kambinda homenageando Raquel Trindade, Mãe Beth de Oxum com Banda Cultural Coco de Umbigada, de Recife (PE) e Rincon Sapiência no palco principal Jardim a Jardim. Além da Celebração dos 10 anos do Ajayô Samba do Monte e Slam das Minas.


Leia também:

Rapper Djonga é Cultura de Resistência

Rapper Djonga é Cultura de Resistência


A 5ª edição

Neste ano o tema do festival é a #omaiorterreirodomundo que engloba o processo de encontro das produções culturais de terreiros e aldeias indígenas com a juventude periférica formando um amplo espaço de troca cultural. “Tentamos integrar todos os povos originários desde o Percurso da Diversidade Cultural que fizemos em 2012 até o inicio do Festival Percurso – Periferia e Cultura em Rede Solidária”, declarou ao Justificando Alex Barcellos, produtor cultural da Agência Solano Trindade.

 

A imagem pode conter: 1 pessoa, chapéu e atividades ao ar livre

 

O produtor ainda rememorou a trajetória com os povos originários do festival; ”este ano por conta da conjuntura política que vem se formando para o começo de 2019, acreditamos na importância de construir uma unidade. Sendo um dos pontos centrais a questão espiritual para o festival. Os povos de terreiros resgatam a ancestralidade dos povos originais. Fortalecendo a construção e consolidação de todas as políticas de igualdade social.”

O projeto “de Jardim a Jardim” que compõe o nome do festival este ano é uma iniciativa do grupo C de Cultura que trabalha para reconectar culturalmente as distintas periferias de São Paulo ao levar em consideração a semelhança nos processos de marginalização social e de acesso a serviços públicos.

Economia em rede

O festival traz ainda a proposta de um novo horizonte para a economia da cultura. Voltada para a produção culinária, artísticas e comercial local, o festival busca através do fomento à economia solidária que as periferias possam subsistir a partir de suas produções locais.

 

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas e área interna

 

Distribuídas em três partes, a feira reúne a agricultura familiar, comida saudável e cosméticos naturais e sustentáveis desenvolvidos pelos comerciantes locais. A produção do evento investe diretamente três mil reais nesses produtores locais através de uma moeda própria do festival. Distribuido para convidados e produtores, a moeda Solano Trindade surge como uma forma de fomento ao consumo da cultura local no festival.

Atrações de resistência

A produção artística das mulheres periféricas estará presente por meio da Tenda das Yabás que homenageia às mães rainhas e os orixás femininos. O coletivo União Popular de Mulheres, a Aldeia Tenodé Porã com o coral de índios Guarani e o Slam das Minas estão confirmadas.

O Encontro dos Povos de Terreiro, Juventude Camponesa, Quilombolas, Índios Guaranis e Pataxós e Afoxé que prestam uma homenagem ao mestre o mestre Moa do Katende, assassinado em outubro em Salvador após uma opinião política acontecerá na Tenda dos Povos.

 

A imagem pode conter: 7 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e multidão

 

A Associação de Kung Fu Garra de Águia Lily Lau, de Taboão da Serra,  que apresentara o espetáculo Dança de Leão, oriundo do folclore chinês.Também terá roda de conversa com doulas, apresentação musical e artística com Funk de Griffe, Graja-Minas e apresentação teatral com a companhia Satyro.

Perifa Talks

Um das novidades do festival pe o espaço Perifa Talks, semelhando as palestras do formato TED, empreendedores sociais dão palestras em um espaço que acontece na vespera do festival, no sábadp (08/12). Até o momento estão confirmadas a presença de Mãe Beth de Oxum, que é de Recife (PE), de Adriana Barbosa, da Feira Preta, e de Aderbal Ashogun, da Rede AfroAmbiental.

 

A imagem pode conter: 10 pessoas, pessoas sorrindo

O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Quinta-feira, 29 de novembro de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend