Próxima chapa da OAB-SP foi eleita com 38% de mulheres em sua composição
Sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Próxima chapa da OAB-SP foi eleita com 38% de mulheres em sua composição

Imagem: Reprodução

Entre as cincos chapas concorrentes, “Coragem e Inovação” foi o grupo eleito com o maior número de mulheres

Por Caroline Oliveira

A chapa “Coragem e Inovação”, registrada com o número 11, ganhou na última quinta-feira, 10 de novembro, a eleição para a gestão da Ordem do Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP), com 45662 de votos, quase 30% dos totais. O novo presidente será o advogado Caio Augusto Silva dos Santos, atual secretário-geral da OAB-SP.

Para a advogada Alice Bianchini, integrante da futura gestão como suplente do Conselho Federal, o destaque à nova chapa se dá principalmente pela questão de gênero. Ela lista três motivos.  “Coragem e Inovação” é a chapa que se candidatou com o maior número de mulheres, entre cinco. Cerca de 38% do grupo é formado por advogadas. Em segundo, é a chapa com mais propostas de valorização da mulher advogada. Por último, é a chapa que tem maior representatividade feminina em segmentos feministas como organizações e instituições. “A participação das mulheres é uma forma de garantir a igualdade de oportunidades que os homens”, afirma

De acordo com a advogada, a representatividade de mulheres na OAB é de grande importância, uma vez que “o olhar da advocacia feminina que é diferente da advocacia masculina, principalmente porque trabalha com questões, por exemplo, da maternidade”. Sobre isso, ela afirma que “as dificuldades e as complicações que a gravidez traz para a mulher advogada não podem ser consideradas um entrave para o exercício da profissão”.

É nesse sentido, inclusive, que uma das propostas da chapa é a criação de Espaços Kids, “para que os advogados e as advogadas possam deixar seus filhos quando estão em alguma audiência”, por exemplo.

O presidente Caio Augusto Silva dos Santos, em seu primeiro pronunciamento como presidente, afirmou que é necessário, no atual momento, união da classe. “Nós vivemos tempos muito difíceis. Tempo onde exigirá muita coragem e força da advocacia. Por isso, vencido o momento eleitoral, é necessário dizer que a advocacia caminhará unida. Não há mais direção contrária”, afirmou.

“Existem companheiros de caminhada e todos terão a oportunidade de unir as nossas bandeiras em defesa da democracia, do Estado Democrático de Direito, da cidadania e da advocacia, cujo papel é defender a maior autoridade de todas, que é o cidadão. Para isso vamos ter que ter muita coragem. A Ordem não estará subserviente a nenhum governo”, afirmou Santos.

Sobre o cenário político, a advogada Bianchini afirmou que a OAB “ficará muito atenta” para não permitir “nenhum tipo de retrocesso em relação aos direitos fundamentais já conquistados”. Recentemente, o futuro presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que o exame da OAB cria “boys de luxo” para escritórios de advocacia. Na ocasião, a OAB se pronunciou em repúdio à fala do pesselista. “É necessário o exame para que seja possível alcançar a qualificação do profissional que vai de alguma forma interferir na vida de muita gente. Então, é importante auferir o conhecimento desse profissional”, disse a advogada.

Entre as propostas da chapa, estão a defesa incondicional da advocacia e a revalorização da profissão; a recuperação da força e da independência institucional da OAB em defesa da cidadania e da advocacia; mais transparência; valorização da mulher advogada e da advocacia negra; e proteção e ampliação do mercado de trabalho. Segundo Bianchini, a principal medida a ser tomada é tornar transparente a OAB por meio da implementação do Portal da Transparência, pronto para ser colocado em execução.

Na Diretoria Executiva da chapa, foram eleitos Ricardo Luiz de Toledo Santos Filho como vice-presidente, Aislan de Queiroga Trigo como secretário geral, Margarete de Cassia Lopes como secretária geral adjunta e Raquel Elita Alves Preto como tesoureira.

Para conferir o resultado da eleição para a OAB em outros estados, clique aqui.

 

Leia mais:
Por que os direitos das mulheres devem ser pauta central na agenda de discussões políticas no Brasil?
O mundo é das mulheres, mas será que elas têm o devido espaço?
A política da violência e a violência política: mulheres nas eleições


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Sexta-feira, 30 de novembro de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend