Advocacia e café: entre quantidade e qualidade
Quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Advocacia e café: entre quantidade e qualidade

Arte de Gabriel Prado

Faz tempo que venho estudando sobre a influência econômica no direito. Pois bem, tentarei esboçar algumas considerações no que se refere aos reflexos dessa influência no exercício da advocacia. Assim, se faz apropriado compreender quea economia, de carta forma, trata da alocação eficiente de recursos escassos, e de como tornar esses recursos menos escassos e disponíveis aos interessados.[2]

No exercício da advocacia não é diferente do que experimentamos no quotidiano de nossas vidas, escolhemos muitas coisas, no entanto, outras necessariamente nos escolhem, e caso observem, normalmente os clientes escolhem seus representantes. Ou seja, como advogado não só escolho como também sou escolhido para atuar em determinada causa. Para que isso ocorra é necessário que haja um ambiente estruturado que viabilize as escolhas [de ambos os lados].

Com a dinâmica ‘acelerada’ das transformações sociais percebemos que o mercado está mais exigente, e preços [honorários] não é mais o fator determinante de uma contratação do advogado. No mundo da advocacia ‘o namoro’ é uma via de mão dupla e as combinações de vários fatores superam a era onde o valor [R$] determinava a contratação.Atualmente a prestação de um serviço advocatício está imerso no que o mercado denomina de commodity. Serviços considerados basicamente iguais[3].


Leia também: 

A proletarização da advocacia

A proletarização da advocacia


O processo de matching surge e evolui ao longo do tempo, onde as combinações devem ser projetadas e estruturadas, para que o desenho do mercado possa ser compreendido e manejado no sentido pretendido pelos envolvidos, em especial pelo advogado. Porém: a mera compreensão das regras, por si só, não determina o resultado [contratação]. O exercício da advocacia tem regras muito precisas, pois envolve o mercado [aspecto financeiro], a legislação [aspectos éticos legais]; relacionamento [político] e a competência [capacitação técnica].

Cada negociação, conversa, aproximação ou flerte entre advogado e possível cliente, tem que ser considerada em separado, de forma individualizado, diferente da anterior e da posterior. A abundância de negociatas, não necessariamente é algo positivo, podendo ser ilusória se não for possível uma avaliação e resposta eficiente que atenda as expectativas do mercado e do interessado.

As estratégias de atuação e tomada de decisões devem corresponder aos anseios do interessado a ponto de tornar-se a relação entre cliente e advogado, segura e simples. Caso isso não ocorra, certamente outras opções serão levadas em consideração por aquele que ainda está inseguro. E, como de conhecimento notório: a abundância na oferta de profissionais habilitados e não necessariamente capacitados é gritante.

Alvim Roth traz uma comparação ideal para o que pretendo dizer: O café cultivado na Etiópia de forma secular era negociado por amostragem, ou seja, buscava-se analisar previamente a qualidade do grão do café cultivado e somente após a aprovação da qualidade do produto o mesmo era comprado, isso mudou com a criação da Bolsa de Commodities da Etiópia onde a qualidade segue um padrão de classificação prévia[4].

Observem a tensão entre comoditização e diferenciação de produto/serviço: entre querer prestar um serviço [advocacia] num mercado competitivo e congestionado, sendo apenas mais um integrante da classificação previamente determinada; ou tornar-se interessante e especial a ponto de muitos contratantes se importarem com isso e lhe procurar especificamente para determinado assunto ou caso.

Para quem aprecia um bom e saboroso café inevitável a preocupação em saber a origem, safra e quem faz a bebida a ser servida e degustada. Embora quem sirva faça isso para qualquer um que chegue e pague. Da mesma forma, existe aquele que contrata o mais em conta, sem se importar com as características profissionais, e por consequência, aqueles que atendem qualquer um independente de quem ou qual caso seja, desde que pague.

Alguns se enquadram como commodities e estão satisfeitos pelo espaço que ocupam, outros, preferem atuar de forma a projetar e estruturar o mercado de atuação, trabalhando as combinações exigidas pelo mercado [aspecto financeiro], legislação [aspectos éticos legais]; relacionamento [político] e a competência [capacitação técnica].

Fato é: não existe mágica no mercado, ou você se permite classificar como commoditie ou projeta e estrutura de forma sólida, simples e segura os diferencias a serem combinados e apresentados. Eis os desafios contemporâneos da advocacia. Onde você pretende se enquadrar?

 

Thiago Miranda Minagé é pós doutorando em Direito na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Presidente da Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas-RJ.

 

Leia mais:
As notícias falsas e a ameaça à democracia
As mentiras e os espantalhos retóricos que viralizam nas redes sociais
Discurso de ódio na internet tem mulheres negras como principal alvo

 

O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

 

[2] ROTH. Alvim E.; Como funcionam os mercad0s. A nova economia das combinações e do desenho de mercado. Tradução: Isa Mara Lando é e Mauro Lando. – 1ª edição. São Paulo: Portofolio-Penguim, 2016, p. 14.

[3] ROTH, 2016, p. 27.

[4] ROTH, 2016, p. 30.

Quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend