“Eu sempre me pergunto quando foi que a polícia se perdeu tanto?” diz PM perseguido
Terça-feira, 16 de julho de 2019

“Eu sempre me pergunto quando foi que a polícia se perdeu tanto?” diz PM perseguido

Imagem: Lineu Filho

 

Por Martel Alexandre Del Colle

 

Tenho ouvido falar muito sobre greve de policiais aqui no Paraná. Aos policiais militares é proibido por lei a realização de greve. Entretanto, como classe trabalhadora, a polícia militar do Paraná aprendeu, naturalmente, a manter seus direitos.

 

 

Qualquer classe trabalhadora precisa de mecanismos para manter seus direitos dentro de um sistema capitalista, ou será levada a um regime análogo a escravidão. A classe dos oficiais faz isso se aliando com os políticos que estão no comando do Estado e agem para que ele tenha liberdade de ação contra as outras classes trabalhadoras. Com isso, o governo perde o poder de prejudicar os oficiais, e ganha os oficiais para assegurar que ele possa prejudicar todas as outras classes trabalhadoras – incluindo soldados. Qual a ferramenta que a polícia tem para permitir a restrição de direitos das outras classes? A força.

 

Isso ficou bem claro no dia 29 de abril de 2015. Quando a polícia militar do Paraná foi utilizada para garantir que direitos fossem retirados das outras classes. 

 

O boato da greve em 2019 tem 2 motivos. O primeiro é uma defasagem nos salários de oficiais e praças devido a inflação que não está sendo corrigida no estado. Pauta legítima. Mas que deve ser olhada de maneira sincera. O prejuízo dos soldados é muito maior do que dos oficiais. Perder 10% num salário de 10 mil é muito menos impactante do que perder 10% num salário de 3 mil. Mesmo que o valor do primeiro seja maior, o impacto na qualidade de vida é muito diferente.

 

 

Agora, a segunda pauta mostra um quadro preocupante. A greve, dessa vez, era fomentada pelos oficiais e não pelas praças. Algo muito estranho. E o motivo apresentado é que o governador Ratinho Jr. deu diversos cargos para oficiais do exército brasileiro em seu governo. Cargos estes que eram dados a oficiais da polícia militar anteriormente. 

 

Por que isso é preocupante? Vamos aos fatos. O Estado do Paraná está abarrotado de oficiais da ativa e aposentados em funções diversas daquelas inerentes ao serviço de polícia militar. O governador colocou militares aposentados em quase todos os cargos. Muitos desses oficiais já ganhavam salários de quase 20 mil reais e agora tem um bônus de mais 7 até 20 mil para cumprir uma função na qual não são especialistas. Eu me pergunto por que uma pessoa que tem uma aposentadoria de quase 20 mil fica advogando em causa própria e fazendo conluios políticos para conseguir um cargo e ganhar mais uns 10 mil. Sei que, para alguns, dinheiro nunca é demais. E que também pouco importa pegar uma função na qual não se é especialista e afundar mais uma parte do governo na incompetência, além de tirar o salário de uma pessoa competente. Mas acho que tem mais coisa aí. Eu chuto que seja um problema de ego com o qual alguns oficiais da polícia militar sofrem. Acho que esses tipos de oficiais passam tanto tempo tendo os seus egos inflados nos quartéis que se tornam insuportáveis para a família, que, por sua vez, implora para que eles peguem mais algum cargo para não ficarem em casa. 

 

Leia também:

“Nós perdemos a guerra. Nunca vi faltar maconha em lugar nenhum do país devido às nossas apreensões”

 

“Nós perdemos a guerra. Nunca vi faltar maconha em lugar nenhum do país devido às nossas apreensões”

Outro ponto que é preocupante é que a polícia militar do Paraná já passou por situações muito mais graves, e os oficiais nunca ameaçaram fazer greve. Já tivemos policiais trabalhando com os coletes balísticos vencidos, já tivemos falta de viatura para atender a população com qualidade, temos taxas de suicídio altas, temos policiais executando e torturando pessoas em filmagens. E em nenhum desses casos os oficiais da polícia ameaçaram uma greve.

 

Vamos mais longe. O governo federal quer cortar verbas da educação, destruiu os direitos trabalhistas dos cidadãos, quer aprovar uma reforma que obrigará o povo a trabalhar até a morte, e eu não vi os oficiais da polícia militar ameaçando uma greve. 

 

Leia mais:

“A ordem de um oficial está acima da lei”, explica policial sobre funcionamento da PM

Terça-feira, 16 de julho de 2019
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend