Evento antirracista em igreja evangélica de Michelle Bolsonaro é cancelado sob pretexto de “comunismo”
Sábado, 20 de julho de 2019

Evento antirracista em igreja evangélica de Michelle Bolsonaro é cancelado sob pretexto de “comunismo”

Imagem: Fernando Frazão / Agência Brasil

 

COLUNA FÉMINISTAS

Por Simony dos Anjos

 

No dia 2 de maio, publiquei um texto chamado “A ação das Igreja Evangélicas na Formação da opinião pública”, no qual eu discutia a forma como algumas igrejas se posicionam politicamente na indução de seus fiéis ao “combate ao comunismo”. Neste texto, eu apontei dois eventos nos quais a Convenção Batista Brasileira (CBB) protagonizou uma atitude conservadora e direitista em relação à política brasileira:

 

“na década de 1960, pouco antes de Castelo Branco assumir a Presidência, momento no qual Eneas Tognini, o então presidente da Convenção Batista Brasileira (CBB) conclamou a Igreja Batista a jejuar e orar para que Deus livrasse o Brasil da “ameaça comunista” e abençoasse o governo militar. Dentre tantas demonstrações de apoio que Igrejas Protestantes deram à Ditadura civil-militar, escolho esse episódio já que após 50 anos dessa conclamação Batista, o atual Presidente da Convenção Batista Brasileira (CBB), pastor Luiz Roberto Sivaldo, publicou nas redes sociais um vídeo convocando os evangélicos para uma campanha de jejum e oração em prol do “futuro da nossa nação e pelos juízes do STF”, em ocasião da votação do Habeas Corpus do Lula. Em outras palavras, religiosos convocam atos de Fé em prol da nação, quando, na verdade, estão conduzindo o povo para quem confiar e apoiar politicamente. E qual a grande armadilha dessa postura? Parece que não se trata de política, parece que são pessoas religiosas e que estão recorrendo a Deus para que seja feita “a vontade Dele” – uma grande mentira e uma grande cartada.”

 

Pois bem, entre o dias 17 e 20 de julho de 2019, a Juventude Batista Brasileira (ligada à CBB) realizou o evento Despertar, cujo a temática era: “Fé, esperança e amor”. No dia 19, haveria uma mesa chamada:  “Descolonizando o olhar: O racismo atinge a igreja?”. A mesa foi cancelada por uma denúncia que acusava os convidados da mesa, Pr. Marco Davi e à Fabíola Oliveira, dois reconhecidos militantes da causa antirracista na religião Evangélica, de comunistas.  Desse modo, a própria atitude da Convenção Batista Brasileira já responde a pergunta: sim. Como vimos acima a perseguição “aos comunistas” não é novidade na CBB, e vimos também que a CBB se baseia nesse bordão para calar vozes dissonantes que denunciam as posturas racistas, machistas e anti-povo da Igreja. 

 

Leia também:

Porque, juridicamente, Eduardo Bolsonaro como embaixador nos EUA é nepotismoPorque, juridicamente, Eduardo Bolsonaro como embaixador nos EUA é nepotismo

 

Tendo em vista esse triste acontecimento, a coluna Féministas repudia essa atitude da Convenção Batista Brasileira e da Juventude Batista Brasileira. Toda solidariedade à Fabíola e ao Pr. Marco Davi. Basta de racismo, colonialismo e intolerância religiosa no meio evangélico! Não aceitaremos essas posturas violentas e racistas!

 

Segue a nota da Frente Evangélica Pelo Estado de Direito, coletivo do qual os envolvidos fazem parte:

 

É com indignação que a Frente de Evangélicos repudia o cancelamento da mesa de conversa “Descolonizando o olhar: o racismo atinge a Igreja?” no Despertar – Congresso da Juventude Batista Brasileira, que aconteceria hoje, dia 19 de julho. Os preletores da mesa, a ativista Fabíola Oliveira e o pastor batista Marco Davi de Oliveira foram desconvidados após denúncias na internet de que são crentes defensores do socialismo, pelas pautas que defendem contra o racismo, o preconceito e em favor da igualdade racial.

 

Essas denúncias foram acatadas pelo Conselho da Convenção Batista Brasileiro que decidiu, por meio de voto dos conselheiros, desconvidar os preletores – promovendo o desrespeito com Fabíola e Marco Davi, além da quebra de um princípio que é fundamental aos batistas: a liberdade.

 

A indignação da Frente de Evangélicos é o reconhecimento dos tempos sombrios que vivemos, com a censura sendo imposta, com o silenciamento de pastores e líderes, com a perseguição a membros de igrejas que ousam pensar de forma diferente do discurso homogêneo que grupos totalitários pretendem impor.

 

Esperamos que a Convenção Batista Brasileira reconheça a situação absurda causada com o desconvite aos preletores e o cancelamento de uma mesa que se propõe debater um problema tão grave da sociedade brasileira. 

 

Evidente demonstração de como o racismo atinge sim, infelizmente, a Igreja Brasileira.

 

 

Simony dos Anjos é graduada em Ciências Sociais (Unifesp), mestranda em Educação (USP) e tem estudado a relação entre antropologia, educação e a diversidade.

 


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

 

Sábado, 20 de julho de 2019
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]