A comunicação de Bolsonaro na portaria do Alvorada
Sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

A comunicação de Bolsonaro na portaria do Alvorada

Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

 

Por Mailson Ramos

 

A estratégia de comunicação do presidente Jair Bolsonaro está na portaria do Alvorada. Nos últimos tempos, é daquele local que ele se pronuncia sobre assuntos diversos, decisões governamentais, acenos à sua base de apoio, e de onde ele dispara impropriedades que, em vez de causar rubor, são aplaudidas por quem o idolatra. 

 

 

Foi naquele lugar que Bolsonaro expôs o seu desgaste com Luciano Bivar e a saída definitiva do PSL. Também foi dali que ele falou aos garimpeiros, defendeu a criação de gado bovino em reservas indígenas e ataca jornalistas que se esgueiram num espaço inapropriado para levar conteúdo aos seus públicos. 

 

O séquito de aduladores que acompanha o presidente até na porta do Palácio Alvorada serve como uma espécie de auditório, de termômetro. Bolsonaro faz a declaração, é aplaudido e tem a certeza de que sua voz alcançará o público pretendido. Um grupo constante de apoiadores na porta do presidente todas as manhãs quando ele sai e todas as tardes quando ele volta deixa transparecer a ideia de um apoio infinito ao governo.

 

Quem lida com estas claques todos os dias também é a imprensa, que percebeu quem era Jair Bolsonaro no dia da sua posse. Naquela ocasião, jornalistas ficaram reduzidos em espaços inapropriados, vigiados por atiradores de elite e aconselhados a não fazer movimentos bruscos. Hoje não é diferente. Na portaria do Alvorada, a imprensa é vista como inimiga e está diante de apoiadores que têm humores voláteis.

 

Leia também:

O Direito Humano à ComunicaçãoO Direito Humano à Comunicação

 

Não se pode dizer que Jair Bolsonaro perdeu o decoro. Ele nunca o teve.  Mas é naquele espaço, antes de entrar no palácio, que ele expõe o desequilíbrio e a incapacidade de governar um país como o Brasil. Não se trata apenas de não ‘ter papas na língua’. O presidente trata a comunicação como algo sem importância e acredita que pode conduzir o governo falando diretamente à população. O problema é que o seu discurso é direcionado para o seu seguidor fiel. Não alcança os pobres, os negros, os indígenas, os homossexuais, os deficientes físicos.

 

Diante dos seus sectários, Bolsonaro despe-se da dignidade de mandatário da nação e age com irresponsabilidade, ignorância, descortesia. Comunica-se aos trancos e barrancos, fugindo de regras e protocolos essenciais ao cargo. Deu vida à cruzada contra um socialismo que nunca existiu no Brasil. Para mobilizar as massas que o seguem cegamente definiu batalhas contra moinhos de vento que diz ser gigantes. Quisera ele ser Dom Quixote. 

 

Bolsonaro é somente a marca de um período em que a política foi demonizada e destruída. A ideia de “nova era” insiste na construção de um ideário de político sem amarras, que se comunica com o povo sem a intermediação da mídia. Criou-se a ideia do mito que se notabiliza por dizer indecências, e por elas ser aplaudido. Em 2018 estabeleceu-se a regra do politicamente incorreto para permitir discursos de ódio, pró-ditadura, contra os direitos humanos.

 

A comunicação ineficaz é só mais um erro dos tantos que este governo cometeu e cometerá. Mas muito mais difícil será conviver com um presidente da República que não respeita ninguém. Que chama o educador Paulo Freire, que ele jamais leu, de “energúmeno”. É um tempo sombrio que parte daquela portaria palaciana para o mundo com sinais perigosos de beligerância e ataque a figuras internacionais como a ativista ambiental Greta Thunberg e o ator e também ativista Leonardo DiCaprio. Contradições que fazem pensar: de um palácio chamado Alvorada brota tanto ódio e obscurantismo.

 

 

Mailson Ramos é relações públicas e editor do portal nossapolitica.net


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Sexta-feira, 24 de janeiro de 2020
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]