Ludwig Von Mises e a crise hidríca da cidade maravilhosa
Terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

Ludwig Von Mises e a crise hidríca da cidade maravilhosa

Imagem: Fernando Frazão / Agência Brasil

 

Por Jucemir de Oliveira Vidal

 

No modelo econômico neoliberal focado na suposta livre concorrência ovacionado, mistificado e reverenciado pela direita brasileira o mercado é considerado uma entidade quase viva, dotada de consciência, valores morais e sentimentos, quase um ser biopsicossocial, ou até, quem sabe, humano para alguns, o que pode ser percebido pelo fato de características sinestésicas e biológicas exemplificadas em frases feitas metafóricas como: “o mercado amanheceu nervoso”, “o mercado reagiu bem”,  “o mercado conseguiu respirar”, “o mercado está eufórico”.

 

 

Alegoricamente neste momento percebe-se que a criação se tornou maior do que o criador, o mercado não serve mais ao homem e sim o homem serve ao mercado. Muito se têm falado sobre a busca de novos caminhos para a atual realidade econômica e um pretenso entusiasmo com um modelo fincado na flexibilidade, sobretudo das relações de trabalho, emprego e previdência e na sua articulação com a conjunção para a produção de insumos e cadeias produtivas, sintetizada na força motriz da realidade econômica apresentada  através da autoregulação do mercado, preços sendo estabelecidos no eixo de demanda e consumo de forma inversamente proporcionais, mas contraditoriamente autorreguláveis através de um preço alvo que se estabeleça involuntariamente na relação dessas duas variáveis e na aceitação ou negação do consumidor em aceitar tal oferta.

 

Dentre as correntes de pensamento a mais destacada e louvada é a escola austríaca; particularmente os estudos de Ludwig Von Mises e as ideias do livro as seis lições – uma espécie de catecismo para os neoliberais da atualidade – onde é enumerado os tópicos capitalismo, socialismo, intervencionismo, inflação, politicas e ideias.

 

O primeiro capitulo Mises ovaciona o surgimento do capitalismo e das benesses produzida com ele como o fomento de pequenos empreendedores, a produção em massa advinda da primeira revolução industrial, uma visão um tanto quanto questionável ser levarmos em conta que se tratava da mudança o feudalismo para um modelo capitalista industrial, onde a mobilidade social não se estabeleceu de forma tão simples e harmônica como colocada em seu texto. É claro que com essa afirmação não pretende-se dizer que o modelo econômico sistematizado anteriormente era melhor.

 

Leia também:

O liberalismo brasileiro é intervencionista?O liberalismo brasileiro é intervencionista?

O que vale ponderar é que o conceito de pequenos empreendedores, em nada se assemelha com os modernos empresários que povoam o imaginário do mundo moderno, com sua inferência sobre a sociedade e o poder influente que possuem na mesma. A produção industrial com o advento da máquina a vapor permitia realmente a produção em massa, todavia o impacto social desses grupos vinha de uma demanda já previamente estabelecida e existente – uma necessidade inerente em dado momento que faz oposição a ideia do capitalista servidor ‘escravo’ da clientela – por um meio da produção que estava centralizada em determinado grupo, possuidor dos artefatos para a produção industrial. As maquinas a vapor operavam em um monopólio praticamente sem concorrência em seu primeiro momento, o que fazia que condições de trabalho, saúde, direitos não tivessem qualquer possibilidade de negociação, bem como a livre concorrência de mercado ser somente um sonho utópico pois a concorrência simplesmente não existia.

 

Tal realidade se comprova anos mais tarde na segunda revolução industrial e no paradigma Ford da produção em série e na célebre frase atribuída a Henry Ford – “ Podemos produzir carros de qualquer cor, desde que sejam preto” o que mostra que a tal escravidão pelo cliente e a sua satisfação como mola motriz da economia, louvada pelo liberais da atualidade é somente uma realidade recorrente depois de várias atualizações e reestruturações do modo de produção capitalista, todavia Mises imputa a tese de que a produção e a linha férrea sugeriria que bastaria criar uma tecnologia que superasse a máquina a vapor que estaríamos com uma nova tecnologia permitida pela livre inicativa de quem quer que fosse, ou seja a famosa “meritocracia”, todavia tal linha de pensamento não funciona de modo tal simples pois como não existia na época incentivos estatais ou privados para pequenos profissionais criativos não tivemos então potenciais talentos criativos sendo dinamizados e a pluralidade de concorrentes sendo produzidas.

 

Mas no que tal análise histórica do escritos de Mises está diretamente ligada a questão da crise hídrica do Rio de Janeiro?  Em tudo. Um ponto que nunca é colocado pela direita liberal brasileira é que o capitalismo brasileiro não surgiu de uma revolução industrial ou uma revolução burguesa, seu surgimento se estabeleceu através do patrimonialismo e da escravidão em um modelo agrário dependente. Uma necropolítica tropical para agradar os protofascitas contemporâneos, forjada nas exploração e no estado de morte-vida dos  mais pobres.

 

Vemos como a autoregulação  mercadológica dos anarcocapitalistas e neoliberais contemporâneos cai por terra quando vemos na crise hídrica do Rio de Janeiro o preço da água mineral ter sido dobrado, triplicado ou até mesmo quadruplicado em nome da maximização do lucro de um item essencial, e um direito humano vale ressaltar, é deixado para livre concorrência, percebe-se então que os espíritos animais de Keynes realmente não são uma abstração filosófica e sim uma realidade pragmática. O aumento de reclamações no PROCON reacende a tese de que a regulação estatal mesmo com todas as suas falhas (que não são poucas) é necessária. Hobbes alertava para a necessidade da segurança nas relações econômicas. Obviamente será levantado a tese de que se a empresa de fornecimento de água fosse privada, isso não aconteceria, todavia tal sentença só seria verdadeira a partir de duas premissas:

 

  1. O Estado fizesse uma forte fiscalização nos serviços prestados – O que é pouco provável pois a crise hídrica só materializou o sintoma de uma enfermidade social já presente desde muito tempo pela crise ambiental e sanitária no Rio de Janeiro.

  2. Houvesse pelo menos duas empresas fornecedores de agua atuando ao mesmo tempo – o que também não ocorreria pois a matriz de fornecimento da matéria prima (agua) é unitária em sua reserva urbana.

 

Concluímos então que o cuidado antes de incorporar certas afirmações como verdadeiras e únicas é necessário e essencial, não só para quem as pronuncia, mas também para quem nelas acredita após ouvir. Pois a criação de dogmas como se fossem ciência, em nada avança o processo político e a manutenção democrática de direitos essenciais como a água.

 

 

Jucemir de Oliveira Vidal é  pós-graduado em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade Cândido Mendes, Graduado em Administração pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e Sociologia pela Universidade do Norte do Paraná,  autor do E-book: Necropolítica, Extremismo e cidadãos de bem – entendendo as eleições de 2018.disponivel em www.amazon.com.br


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Terça-feira, 4 de fevereiro de 2020
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend