Losurdo, Mouffe e Mbembe: Para entender o Brasil
Segunda-feira, 13 de abril de 2020

Losurdo, Mouffe e Mbembe: Para entender o Brasil

Imagem: Justificando / Ivy Frizo

 

Por Jucemir de Oliveira Vidal

 

 Para a compreensão do mundo e da sociedade nela existente os filósofos historicamente sempre serviram como ponto de observação, eixo de referência do momento, dos processos históricos, sociais e econômicos correntes.

 

Os pensadores essenciais para entender esses mesmos processos sociais, econômicos, históricos nas relações produtivas, nas relações de trabalho e no próprio capitalismo pós industrial sempre foram Karl Marx, Emile Durkheim e Max Weber, considerados o tripé da sociologia. Marx fornece os conceitos de materialismo histórico, da luta de classes – aquela que é sempre negada em sua existência pelos neoliberais e bolsonaristas, mas se torna irrefutável quando a crise começa a bater na porta da classe média com um dólar a R$5,00 e um crescimento econômico que não vem na esteira das propostas de Paulo Guedes, da infraestrutura, da estrutura, da mais valia, do lucro e do eterno conflito de interesses entre burguesia e proletariado. Já Durkheim consegue sistematizar o fato social com seus três vértices de coercibilidade, generalidade, externalidade; como estamos presos na obediência destes três princípios ao vivermos em sociedade e como as sanções são existentes para quem não os cumpre. Em tempos de excludente de ilicitude, seria essencial que o líder do executivo tivesse tal noção, o que infelizmente não ocorre. Por fim Weber consegue estabelecer uma correlação primorosa entre capitalismo e religião – no Brasil de lideranças religiosas ditando regras no legislativo seu livro A ética protestante e o espirito do capitalismo se torna quase uma profecia.

 

Todavia apesar de toda atualidade e indispensabilidade dos três autores acima, existem na contemporaneidade três pensadores que explicam o Brasil XXI de forma indireta, mas extremamente condizente e assustadoramente semelhante com a nossa realidade política através de suas teorias sociais. São eles: Domenico Losurdo, Chantall  Mouffe e Achille Mbembe.

 

Leia também:

Entre a biopolítica e o necropoder: O lucro durante a pandemia

Entre a biopolítica e o necropoder: O lucro durante a pandemia

 

O primeiro – Losurdo – consegue correlacionar como as revoluções liberais não são propostas de liberdade para classes periféricas, sociedades exploradas pelo colonialismo, a exploração imperialista na América Latina e países em desenvolvimento terceiro mundistas, sua visão do marxismo permite que possam ser feitas interligações entre a exploração neoliberal na luta de classes. Sua análise consegue ser uma adaga fina na arrogância de achar que o liberalismo não merece uma contra história, o que ele faz com maestria em seus textos. Já Mbembe um filosofo camaronês consegue criar o neologismo conhecido como necropolitica que em sentido lato pode ser entendido como o direito de quem pode matar e quem deve morrer. Utilizando o conceito de racialização é mostrado como a dominação é exercida muitas vezes semelhantemente ao biopoder de Foulcaut. Sua teoria se correlaciona com Losurdo na investigação das explorações neoliberais, mas com o mérito da investigação ser na semiótica africana na perspectiva de entender o fluxo dos capitais e sua interligação com a cultura do extermínio. A correlação com nossa crise de segurança e direitos humanos é quase imediata ao ler seus escritos. Por fim Mouffe – filosofa belga pós-marxista nos apresenta os conceitos de democracia radical, conflito político e agonismo como contraponto ao antagonismo e o confronto vazio no discurso político, essa terceira teoria em tempos de extremismo, polarizações e debates ganhos no grito com conceitos rasos se faz necessária, sobretudo em crises de instituições como vivemos no Brasil atual, bem como a miserabilidade do embate político.

 

Esses três pensadores:  Losurdo, Mbembe e Mouffe conseguem, mesmo sendo separados pelo tempo e pelo espaço fazerem uma leitura da realidade global mundial que se encaixa perfeitamente no Brasil atual, sendo por isso mesmo essenciais para o entendimento de nossa crise democrática contemporânea. Sendo incrivelmente correlacionáveis em uma linha de pensamento que demostra como o neoliberalismo e o discurso extremista muito em moda no mundo contemporâneo é um caminho sem volta para uma derrocada social e econômica.

 

 

Jucemir de Oliveira Vidal é pós-Graduado em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade Candido Mendes, graduado em administração pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e sociologia pela Universidade do Norte do Paraná, autor do e-book: Necropolítica, Extremismo e Cidadãos de bem – entendendo as eleições de 2018. 

 


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Segunda-feira, 13 de abril de 2020
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend