O pacto do presidente com a morte
Segunda-feira, 13 de abril de 2020

O pacto do presidente com a morte

Imagem: Agência Brasil

 

Por Ricardo Lodi, reitor da UERJ

 

 

É desesperador ver que o isolamento social vai sendo derretido, a partir da campanha diuturna do presidente da república pela aglomeração de pessoas pelas ruas do Brasil.  Pelo período de incubação, essa conta vai chegar daqui a uma semana. E, pelos números já disponíveis, a desgraça vai se abater mais tragicamente nas camadas mais pobres da população, onde a palavra de um presidente tem um peso mais decisivo diante da pouca informação científica sobre a doença, conforme já revelaram as últimas pesquisas de opinião. 

 

É difícil saber o que leva o mandatário a trilhar por esse caminho destinado a condenar a morte milhares de brasileiros.  Talvez a falta de empatia com os destinos dos seus governados, o que ficou simbolizado pelo gesto de cumprimentar uma eleitora após limpar o nariz. Ou ainda seja apenas o descontrole mental de alguém que está a anos luz das responsabilidades que o momento exige. 

 

Leia também:

Podcast Justificando traz análise sobre o mundo do trabalho durante e depois do Covid-19Podcast Justificando traz análise sobre o mundo do trabalho durante e depois do Covid-19

 

Mas, sem prejuízo das hipóteses acima, o meu palpite é que o desespero do presidente se deve ao fato de intuir que o espírito de coesão social necessário para que a sociedade brasileira possa vencer o vírus compromete os alicerces do bolsonarismo. É sabido que o presidente só cresce em ambiente de confronto com o outro, identificando um adversário a ser destruído. E o vírus, carecendo de características antropomórficas, não reúne as condições de ocupar esse espaço no imaginário bolsonarista.  

 

Como não reúne condições de liderar o povo todo por um objetivo comum, insiste no confronto, sua única jornada possível.

 

Com isso, celebra um pacto com a morte dos seus concidadãos, indiferente aos resultados humanos da sua estratégia pela sobrevivência política.

 

Quando, daqui a poucos dias, os números se multiplicarem e se transformarem em nomes de pessoas conhecidas de cada um, deverá ser o seu fim. 

 

 

Ricardo Lodi é reitor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Advogado.

 


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando] 

Segunda-feira, 13 de abril de 2020
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend