Empréstimos Compulsórios podem significar respiro para país?
Quarta-feira, 6 de maio de 2020

Empréstimos Compulsórios podem significar respiro para país?

Imagem: Agência Brasil

 

Por Talita Ferreira de Brito dos Reis

 

No dia 23 de março deste ano, foi apresentado ao Plenário da Câmara dos Deputados o Projeto de Lei Complementar 34/2020, pelo Deputado Wellington Roberto, do Partido Liberal (PL), que institui Empréstimo Compulsório para atender às despesas urgentes causadas pela situação de calamidade pública relacionada ao coronavírus (COVID-19). O Projeto tramita em regime de prioridade, nos termos do Regulamento Interno da Câmara dos Deputados.

 

 

Os Empréstimos Compulsórios são uma das espécies tributárias elencadas na Constituição Federal, e muito já se discutiu sobre se o fato de ser um empréstimo, ou seja, não passar a integralizar o patrimônio público, tendo de ser devolvido no decorrer de um prazo estipulado, seria realmente submetido às regras do regime tributário brasileiro. Fato é que essa questão foi pacificada, e sim, Empréstimos Compulsórios são tributos nos termos do art. 148, do Título VI, Capítulo I, do Sistema Tributário Nacional, da Constituição de 88.

 

Dessa forma, os Empréstimos Compulsórios são empréstimos forçados, coativos e restituíveis, feitos pela União, na medida em que só podem ser instituídos por Lei Complementar advinda desse ente federado. Salienta-se que para que seja aprovado o Projeto de Lei Complementar, é necessário que ele seja aprovado por maioria absoluta dos membros de cada casa. Assim, dos 513 Deputados, no mínimo 257 teriam que aprová-lo, assim como dos 81 Senadores, ao menos 41 teriam que aprová-lo.

 

As situações que permitem a instituição dos Empréstimos Compulsórios são: I) para atender a despesas extraordinárias, decorrentes de calamidade pública, de guerra externa ou sua iminência; e II) no caso de investimento público de caráter urgente e de relevante interesse nacional, observado o disposto no art. 150, III, “b”, da CF/88. Assim, o Projeto de Lei Complementar 34/2020 se apoia no que está disposto no art. 148, I, da CF/88, pois estamos vivendo uma situação que demanda de despesas extraordinárias, decorrentes da calamidade pública instaurada pela pandemia do coronavírus (COVID-19). Nesse contexto, o Projeto de Lei, aparentemente, se mostra muito oportuno.

 

Ademais, no Projeto há a determinação de que os empréstimos sejam feitos pelo Estado, estando a ele sujeitas as pessoas jurídicas domiciliadas no país, que tenham patrimônio líquido igual ou superior a um bilhão de reais, e delas seriam cobrados o valor equivalente a 10% do lucro líquido apurado nos 12 meses anteriores à publicação da lei. Percebe-se aqui uma característica peculiar no empréstimo, que seria tributar grandes fortunas, ainda que de forma temporária. Seriam poucas, numericamente, as pessoas jurídicas por ele afetadas, mas os valores emprestados seriam vultuosos, podendo facilitar a solução de várias problemáticas insurgentes da pandemia, uma vez que os valores recolhidos teriam de ser obrigatoriamente utilizados para a finalidade que der ensejo à sua instituição.

 

Ocorre que muitas polêmicas têm sido geradas sobre a constitucionalidade do Projeto, como, por exemplo, na apresentação do Requerimento de Arquivamento do Projeto, apresentado pelo Deputado Heitor Freire do Partido Social Liberal, no dia 28 de abril. O Deputado do PSL alega a inconstitucionalidade do Projeto pelos princípios da legalidade tributária, da isonomia tributária e da anterioridade tributária e da irretroatividade tributária, todos presentes entre as Limitações Constitucionais ao Poder de Tributar do Estado. Passemos a analisar, então, o Projeto de Lei e as especificidades da espécie tributária de Empréstimos Compulsórios.

 

Leia também:

Saúde e economia: É necessário priorizar um sobre o outro?Saúde e economia: É necessário priorizar um sobre o outro?

De acordo com o princípio da legalidade tributária, previsto no art. 150, I, da CF/88, é vedado aos entes federados exigir ou aumentar tributo sem lei anterior que o estabeleça. Ora, uma vez que o tributo ainda não está sendo exigido, porquanto não foi instituído, nesse momento não há o que se falar em violação do princípio da legalidade tributária. O que se visa com a proposição do Projeto de Lei Complementar, inclusive sob o rito de prioridade, é atender a esse princípio tão caro ao Direito Tributário.

 

No entanto, o Projeto de Lei diz que competirá ao Ministério da Economia definir o percentual aplicável a cada setor econômico, para cálculo do valor do Empréstimo Compulsório. Essa determinação pode ser considerada uma violação ao princípio da legalidade, pois em relação a esse princípio não há exceções quanto à necessidade de lei para instituir tributos e suas alíquotas, ainda que haja exceções específicas para a sua majoração ou minoração nos casos dos Impostos de Importação (II), Impostos de Exportação (IE), Impostos de Operações Financeiras (IOF), Impostos de Produtos Industrializados (IPI) e da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico de Combustíveis (CIDE-Combustíveis), conforme o art. 97, incisos II e IV, do Código Tributário Nacional (CTN). 

 

Já em relação ao princípio da isonomia tributária, previsto no art. 150, II, da CF/88, tem-se que é vedada a instituição de tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem em situação equivalente, proibida qualquer distinção em razão de ocupação profissional ou função por eles exercida, independentemente da denominação jurídica dos rendimentos, títulos ou direitos. Assim, a determinação de que caberá ao Ministério da Economia a definição das alíquotas a depender do setor econômico que as pessoas jurídicas integrem, há a violação tanto do princípio da legalidade quanto da isonomia, uma vez que estaria se criando um tratamento desigual para contribuintes que se encontram em situações equivalentes. Teria de ser uma alíquota única instituída por Lei para que houvesse o suprimento dessas violações, a não ser que se altere o art. 97, incisos II e IV, do CTN, incluindo como exceção à fixação de alíquotas os Empréstimos Compulsórios.

 

Quanto ao princípio da anterioridade tributária, prescrito no art. 150, III, “b” e “c”, da CF/88, há uma peculiaridade dos Empréstimos Compulsórios, uma vez que esse a ele não se submetem, em razão de a urgência e a necessidade serem características imprescindíveis para a instituição dos Empréstimos. Assim, nem a anterioridade nonagesimal, nem a anterioridade de exercício são aplicadas aos Empréstimos Compulsórios, conforme art. 150, §1º, da CF/88.

 

Por fim, no princípio da irretroatividade tributária, descrito no art. 150, III, “a” da Constituição, há a vedação da cobrança de tributos em relação a fatos geradores ocorridos antes do início da vigência da Lei que os houver instituído ou aumentado. Quer dizer, não pode um tributo ser instituído sobre fatos pretéritos, mas somente sobre fatos futuros ou pendentes.  Dessa forma, há uma violação a este princípio quando o Projeto de Lei diz que o fato gerador do tributo será a apuração do lucro líquido dos 12 meses anteriores à publicação da Lei. Deveria ser instituído, portanto, sobre outros fatos geradores, que sejam manifestações de riqueza, mas que aconteçam ou estejam pendentes à época da promulgação da Lei.

 

Pelo exposto, percebe-se que a intencionalidade do Projeto é oportuna nos tempos atuais, uma vez que os Empréstimos compulsórios estão prescritos na Constituição para serem utilizados exatamente em tempos como o que vivemos, de excepcional calamidade pública que demanda gastos governamentais extraordinários. A ideia de que esses empréstimos se deem sobre grandes fortunas também é pertinente, já que as pessoas mais vulneráveis são as mais atingidas pela pandemia, e não poderiam arcar com carga tributária maior do que já arcam. Ademais, empréstimos são devolvidos, então a defasagem sofrida duraria um lapso temporal, essencial ao restabelecimento das bases do país.

 

Entretanto, o projeto 34/2020 carece de muitas emendas, sejam elas aglutinativas, supressivas ou substitutivas, para que não sofra a penalidade de arquivamento ou seja, posteriormente à sua promulgação, objeto de Ações Diretas de inconstitucionalidade e/ou Mandados de Segurança, indo de encontro ao seu propósito de ajudar o país nesse momento de crise econômica e financeira.

 

 

Talita Ferreira de Brito dos Reis é Advogada, graduada pela Escola Superior Dom Helder Câmara (ESDHC)


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Quarta-feira, 6 de maio de 2020
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend