O ato educativo também precisa ser uma posição de classe
Segunda-feira, 18 de maio de 2020

O ato educativo também precisa ser uma posição de classe

Imagem: Arquivo / Agência Brasil – Montagem: Gabriel Pedroza / Justificando

 

Por Zacarias Gama

 

Diante da ignorância de parcela considerável da sociedade brasileira, mais ou menos 30%, fico me perguntando se nós, o professorado, temos alguma parcela de responsabilidade na formação desta gente que sequer acredita nas milhares de mortes por Covid-19, que mitifica o senhor Jair Bolsonaro, que atribui a pandemia que assola o país à mídia antibolsonarista, que acredita na forma plana da Terra e em muitas outras coisas mais que até Deus duvida. De onde saiu tanta gente analfabeta em tantos assuntos?

 

 

Em sã consciência é impossível culpar o professorado em sua totalidade. Mas não se pode fazer vistas grossas muito embora uma boa parcela seja bolsonarista de quatro costados e que o defende mesmo sabendo que este governo tem diversas medidas contra o magistério. Essa parcela docente precisa ser estudada. 

 

Tenho duas hipóteses a respeito. 

 

  1. Ela vem sendo formada nas instituições de ensino superior, públicas e particulares, apenas em bases técnicas, isto é, para dar aulas de determinados conteúdos e ponto. E mesmo assim com um discutível domínio de conteúdo. O que sustenta esta hipótese é a baixa avaliação dos cursos de formação, públicos e particulares, no Ranking Universitário Folha (RUF). Dos 1800 cursos particulares e públicos existentes, mais ou menos 50%, são incapazes de atingir ao menos a metade da pontuação que os melhores são capazes de atingir. 
  2. Os cursos de formação de professores definem o professor conforme a primeira parte da definição dada pelo dicionário Caldas Aulete: 
  1. Indivíduo que se especializou em ensinar, em escola ou universidade; docente; mestre
  2. Aquele que ensina algo (disciplina, atividade, arte, ofício, técnica etc.) a alguém

 

Leia também:

Bolsonaristas acreditam ser a resistência contra ‘status quo’Bolsonaristas acreditam ser a resistência contra ‘status quo’

Parecem, talvez por conveniência, nunca ler no mesmo verbete que professor é “4. Aquele que professa (uma religião, uma dada concepção de mundo etc.)”.  E isto é muito ruim porque reduzem o professor a um sujeito técnico e asséptico, alienado por excelência. 

 

A soma das duas hipóteses tem como resultado um professor que conhece superficialmente o conteúdo de sua disciplina e, às vezes, de forma enviesada, e não está nem aí para a vida política, econômica, religiosa e cultural de sua gente. Nada questiona por insegurança e insuficiência de conhecimento. Sua formação e ele próprio se situam na contramão do que disse o mestre Paulo Freire: “a prática educativa, reconhecendo-se como prática política, se recusa a deixar-se aprisionar na estreiteza burocrática de procedimentos escolarizantes” (Freire, 2001)

 

E onde está o campo de atuação deste docente? A resposta parece ser óbvia, ele atua na periferia das cidades, nas cidades mais pobres e no campo, ou seja, nos redutos políticos mais conservadores e reacionários, nos currais eleitorais dos piores políticos. Nestes redutos, para piorar as coisas, é obrigado a rezar pela cartilha do poder dominante e a se “aprisionar na estreiteza burocrática de procedimentos escolarizantes”. Nestes redutos, não nos esqueçamos, está a força do bolsonarismo e do fundamentalismo religioso. Eles constituem os 30% da população que mantém o poder autoritário, antidemocrático e neofascista do atual governo. Os professores realmente deixam de assumir a educação como ato político indispensável à emancipação popular. Suas escolas se transformam em espaços de neutralidade política, como se isto fosse possível, e sem nada a ver com a luta de classes. Como diria Paulo Freire, o a favor deles situa-os em um certo ângulo, que é de classe, que é bolsonarista. 

 

A constatação que faço torna imperativo que revejamos a formação de professores no Brasil. É preciso que seja revestido do imperativo categórico de equidade formativa. Todos os cursos precisam cuidar da formação técnica e política, nenhum professor pode abdicar, em suas aulas, de posições políticas, éticas, estéticas, urbanistas e ecológicas. 

 

O ato educativo também precisa ser uma posição de classe, jamais a favor da classe dominante. 

 

 

Zacarias Gama é Professor Titular da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Faculdade de Educação. Coordenador Geral do Programa de Pós-graduação Desenvolvimento e Educação Teotonio dos Santos. Membro do Comitê Gestor do Laboratório de Políticas Públicas/UERJ.


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Notas:

[1] Freire, Paulo. Política e educação : ensaios – 5. ed – São Paulo, Cortez, 2001. (Coleção Questões de Nossa Época ; v.23)

Segunda-feira, 18 de maio de 2020
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend