A visão de um juiz sobre a redução de salário e de tempo de trabalho proposta pela MP 936/20
Sexta-feira, 17 de julho de 2020

A visão de um juiz sobre a redução de salário e de tempo de trabalho proposta pela MP 936/20

Imagem: Agência Brasil

 

Por Rafael da Silva Marques

 

Este texto tem o propósito de debater a redução da jornada de trabalho com proporcional redução do salário do empregado, conforme disposto no artigo 7º da MPV 936/20 (e artigo 7º da lei 14.020/20). Não será objeto de análise a necessidade ou não de redução dos ganhos dos diretores e administradores ou a da intervenção sindical, esta já decidida pelo STF, ADI 6363.

 

 

O artigo 7º da MPV 936/20 preceitua possível a redução da jornada de trabalho, com redução proporcional dos salários (o artigo 7º da lei 14.020/20 estampa redução, preservado o valor do salário/hora). Mas que tipo de redução de salário é esta?

 

Ao que se pode entende redução proporcional (ou manutenção do salário/hora) não diz, necessariamente, respeito à redução de salário e tempo de trabalho nos mesmos equivalentes numéricos, a saber 50% de redução de salário e 50% de redução da jornada de trabalho. É fácil, à primeira vista, entender absurda não redução nos mesmos percentuais numéricos, mas em se adentrando um pouco mais a fundo, em especial em conceitos de produtividade e qualidade do trabalho, pode-se ver que a única opção é uma redução proporcional (ou manutenção do valor/hora), mas observado ganho de produção do empregador. Ou seja, em se reduzindo a jornada em 50%, a redução do salário não poderá ter a mesma baixa percentual.

 

Mas por que é assim?

 

A resposta não parece complexa. É corrente que a redução da jornada de trabalho aumenta a produtividade e melhora a qualidade do trabalho. Ou seja, se o empregado é pago para, em oito horas, executar um certo tipo de trabalho ou certas atividades, o fazendo em quatro haverá, na proporção, um ganho real ao empregador. E este ganho não refletirá em aumento do valor da hora, o que criará, no mundo real, redução de salário e aumento da acumulação de riqueza nas mãos do empregador (chamando distanciamento ou desequilíbrio trabalho/capital).

 

Leia também:

Podcast Justificando discute Lava Jato, Frente Ampla e Bolsonaro com COVID-19Podcast Justificando discute Lava Jato, Frente Ampla e Bolsonaro com COVID-19

A conta, como visto, é bem simples. Se o valor/hora é de R$10,00 para oito horas de trabalho, num total de R$2.200,00 mensais, para quatro horas, em pagando R$1.200,00 haveria perda salarial do empregado, pois que a sua produtividade (e qualidade), nas horas de trabalho, já com a jornada reduzida, aumentará, gerando um ganho real acima daquilo que foi acordado entre as partes, acúmulo de mais valia fora dos limites do contrato de emprego, havendo, portanto, redução salarial. 

 

O correto seria haver, pela média, um cálculo (mesmo que aproximativo), observada a média dos trabalhadores e sua produtividade nas primeiras quatro horas de trabalho por exemplo, sendo pago este valor por hora quando da redução (proporcionalidade e manutenção do valor/hora seria este). É evidente que o retorno às oito horas não geraria diferença de salário, em razão de que manteria o pactuado incialmente, a saber R$2.200,00 por oito horas, considerando a perda proporcional de produtividade e qualidade no decorrer da jornada.

 

É bom se diga que esta interpretação benéfica tem resguardo no artigo 7º, caput, da CF/88 (regra-princípio da interpretação mais benéfica), que autoriza se diga que a redução proporcional dos salários (ou manutenção do valor/hora) envolve não apenas seu valor nominal, mas os frutos do trabalho para o empregador. Não se pode ser ingênuo e ignorar que quando da contratação do empregado, o empregador tem em mente, economicamente, o que o trabalho contratado poderá gerar em oito horas, contando o pico e o declínio de produtividade e qualidade, ou seja, observada a média destas mesmas horas. No aumento de produtividade, portanto, há um ganho fora do pactuado, acumulação de mais valia fora dos limites acertados quando da pactuação. 

 

Assim, é de se concluir este breve suspiro entendendo que a redução prevista na MPV 936 (e lei 14.020/20) apenas poderá se realizar em havendo equação entre a redução do tempo de trabalho e do salário, observada a media de produtividade (e qualidade) para as primeiras quatro horas de trabalho (redução de quatro horas como exemplo, considerando que podem ser outras). Do contrário haverá perda de salário (quebra do elemento mais valia e distanciamento econômico empregado/empregador sem autorização contratual e, portanto, legal), e quebra da estrutura contratual, artigos 7º, VI, da CF/88 e 444, 457 e 468 da CLT.

 

 

Rafael da Silva Marques é juiz do trabalho e Membro da Associação Juízes para a Democracia – AJD


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Sexta-feira, 17 de julho de 2020
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]