Bater as metas do IDEB é importante, mas será suficiente?
Quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Bater as metas do IDEB é importante, mas será suficiente?

Imagem:  Marcelo Camargo / Agência Brasil

 

 

Por Zacarias Gama

 

O INEP divulgou o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB – 2020) que, conforme a Constituição Federal e a Lei de Diretrizes e Bases, é um indicador que informa à sociedade a quantas anda a corrida pelo oferecimento de educação de qualidade do Brasil. No Relatório é visível o esforço de municípios e estados para obter os melhores indicadores, merecendo destaque imediato os estado de Pernambuco e Ceará que já apresentam índices iguais e superiores a muitos estados das regiões Sul, Centro-oeste e Norte. Os municípios do Nordeste com os melhores índices estão nos estados do Ceará (Mucambo, 9.4; Independência, 9.1; Milhã, 8.7; Pires Ferreira, 8.5; Sobral, 8.4) e Alagoas (Coruripe, 8.9; Teotônio Vilela, 8.4). 

 

Quando se estabelece o IDEB 4.0 como ponto de corte, 11 estados ficam acima e os demais abaixo. As regiões NE e N têm a maior quantidade de estados com IDEB abaixo de 4.0 (respectivamente sete e cinco), seguidas da região Centro Oeste, com dois estados. As regiões Sudeste e Sul, as mais ricas do país, têm cada uma, um estado que ainda não consegue um indicador igual a 4.0; estes são os estados do Rio de Janeiro e Santa Catarina. 

 

O estado ou município que queira aumentar o seu IDEB precisa gerenciar a qualidade da educação que oferece. É o que se chama de controle da qualidade, tomado de empréstimo das grandes corporações industriais. O estado do Ceará parece estar se tornando uma espécie de expertise em tal gerenciamento e não por acaso vem surpreendendo o país com os índices obtidos. Internacionalmente o destaque vai para a gerencialista Polônia que, nos últimos anos vem aparecendo no Top 10 do ranking do PISA – OCDE.

 

A qualidade da educação que os estados e municípios mais bem sucedidos oferecem, no entanto, não tem garantia de ser para a vida toda. Parece qualidade e durabilidade de produto de $ 1,99: usar e jogar fora. Explico. A engenharia educacional traça o plano de trabalho e as suas metas; produz material adequado e facilitador ao cumprimento das metas; os professores operam com base nos manuais de produção de qualidade; os estudantes dão conta de produzir bons resultados desde que haja muita pressão da escola e das famílias. Em cidades do extremo Oriente como Hong-Kong, Cingapura, Taipei etc. é isto o que acontece e são campeãs nos rankings citados. Contudo, na correria para bater as metas esse gerencialismo da educação menospreza os processos de interação entre os alunos e de mediações importantes para elaborações superiores e mais complexas. Sem a devida atenção a estes dois processos as fixações são esquecidas com grande brevidade.

 

Leia também:

Podcast Justificando discute educação popular e libertadora na visão de Paulo FreirePodcast Justificando discute educação popular e libertadora na visão de Paulo Freire

A educação ofertada na Finlândia não é gerencialista como na Polônia e alguns estados brasileiros. Educa-se para a vida toda e permite aos estudantes fortes momentos de interação (troca de conhecimentos entre pares, professores, familiares e amigos) e de mediações. Daí a sua presença constante nos rankings internacionais. A mediação – uma categoria filosófica – é o esforço mental que fazemos diante da realidade (buscando compreender e interpretá-la) ou diante de textos escritos procurando apreender os seus aspectos essenciais e mais subjetivos. É um constante alargamento da leitura de mundo, à qual se referia Paulo Freire. 

 

Por conta do gerencialismo produtor de elevados índices de qualidade a minha comemoração a tais conquistas é ainda muito tímida. É um avanço, sem dúvida e há que aplaudir todos os esforços realizados. Contudo, para atingirmos a educação de qualidade referenciada socialmente, isto é, reconhecida pela sociedade, é preciso ainda gerenciar não apenas o preparo para resolver provas, testes internacionais ou ter respostas na ponta da língua. Nossa educação precisa ter valor de uso, que permita ao educando não apenas ler o mundo, mas transforma-se a si mesmo e ao mundo; ser senhor de onde habita e do mundo, permitindo-se ser ainda, ao mesmo tempo, singular e universal. Também precisa ter valor de troca no sentido de garantir ao estudante a atenção às suas necessidades materiais e espirituais. Esta educação se faz com professores bem preparados e não apenas com professores batedores de metas, estes são bons funcionários sob ordens estritas ou rigorosos planos de trabalho, nada mais do isto.  

 

Precisamos desta educação de qualidade reconhecida pela sociedade com urgência, sobretudo para um tempo de aceleradas transformações promovidas pela Revolução Técnico-científica que, ao digitalizar o mundo do trabalho e da produção, vem expurgando trabalhadores desde os mais simples aos mais qualificados. Esta Revolução vem liquidando profissões e postos de trabalho, criando com voracidade uma nova pobreza constituída de ex-executivos endividados e desempregados, famílias flageladas por desastres naturais, herdeiros empobrecidos, sonegadores autuados, políticos e autoridades públicas vítimas de  graves processos de lacração social, “além das milhares de pessoas que sobrevivem com baixos salários em territórios de exclusão e possuem contratos precários de trabalho ou se encontram na informalidade e que precisam de assistência” (Jacy Curado, 2012). A extrema pobreza já atinge hoje 13,5 milhões de brasileiros e, segundo dados do 1º trimestre de 2020, 27,6 milhões perderam os seus empregos.

 

Por todas estas razões, bater as metas do IDEB tem importância, mas será suficiente? 

 

 

Zacarias Gama é professor titular da UERJ/EDU. Coordenador do Programa de Pós-graduação Educação e Desenvolvimento Theotonio dos Santos (ProDEd-TS), Membro do Comitê Geestor do LPP-UERJ e professor colaborador do PPFH


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Quarta-feira, 28 de outubro de 2020
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend