“Justiça está à disposição do cidadão o tempo todo”, diz presidente do STF
Terça-feira, 19 de setembro de 2017

“Justiça está à disposição do cidadão o tempo todo”, diz presidente do STF

Foto: Reprodução 

A Justiça está permanentemente a serviço do cidadão, afirmou nesta terça-feira (19) a presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, durante a 43ª sessão extraordinária do CNJ.

O comentário ocorreu durante julgamento de um desembargador do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL) acusado de favorecer o irmão ao conceder liminares durante o plantão judiciário. 

“O cidadão brasileiro precisa de saber que temos uma espécie de emergência jurídica como temos emergências médicas. Que fique claro isso. Não quero que um cidadão brasileiro imagine que os juízes não ficam o tempo todo à disposição. Se não é o juiz fulano de tal, é o juiz plantonista”, disse a ministra.

A presidente do STF aproveitou a analogia com o serviço de saúde para ilustrar a necessidade da atuação de um juiz diante de um pedido urgente de concessão de medicamentos. “Precisa-se de um medicamento, e o médico diz que precisa ser levado ao interior do Piauí, não dá para esperar até de manhã, às vezes sob risco de perda não do objeto da ação, mas do próprio sujeito”, disse.

A ministra também usou o próprio exemplo para mostrar como o Judiciário é um serviço que funciona sem interrupção. A necessidade de se dar resposta jurídica a demandas urgentes encaminhadas ao STF obrigou, no último sábado (16) a ministra Cármen Lúcia a trabalhar no seu gabinete do Supremo até as 16 horas. Na semana anterior, segundo a ministra, uma liminar que pedia autorização para cumprir uma ordem judicial às 6h da manhã do dia seguinte fez que a ministra retornasse às 22h ao Supremo, de onde só sairia às 3h da madrugada.  

Ao responder um questionamento do conselheiro Henrique Ávila a respeito da subjetividade do magistrado ao avaliar que tipo de questão pode ser avaliada durante um plantão judiciário, a ministra esclareceu que a lei e a doutrina impõem limites à discricionariedade do juiz nesses casos. Cabe apenas ao juiz avaliar, na sua subjetividade, basicamente a oportunidade e a conveniência dos atos judiciais e administrativos, segundo a ministra. 

“Aliás, o (jurista) Celso Barbi fazia essa distinção entre receio, que é subjetivo, e a ameaça, que é objetiva, segundo a lei. Ao examinar um pedido de liminar, o juiz precisa de saber, por exemplo, se a ameaça é concreta, urgente, atual e objetivamente comprovada. Senão, não está autorizado a conceder a liminar. E todos os juízes sabem disso”, disse.

A ministra acrescentou que foram criados mecanismos uniformização de jurisprudência, justamente para evitar que um juiz pudesse decidir de uma forma e outro magistrado, de outra. 

Informações de Manuel Carlos Montenegro, Agência CNJ de Notícias.

 

Terça-feira, 19 de setembro de 2017
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend