Deputado e juíza são acusados de crime de ódio contra Marielle Franco
Terça-feira, 20 de março de 2018

Deputado e juíza são acusados de crime de ódio contra Marielle Franco

Foto: PSOL. Informações por Emilly Dulce, do site Brasil de Fato.

A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) e o gabinete do deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) denunciam os crimes de ódio cometidos nas redes sociais por um deputado federal do DEM e uma desembargadora contra a ex-vereadora pelo PSOL, Marielle Franco, assassinada no último dia 14. Ela e o motorista Anderson Gomes foram executados a tiros no Estácio, no centro do Rio de Janeiro. O crime gerou uma comoção nacional e diversas manifestações a favor dos direitos humanos.

Leia tambémÀ minha irmã, Marielle Franco (In memoriam)

Querem enterrar Marielle Franco em cova rasa

Junto de Marielle, eu morri

Por meio de representação jurídica (quando há indícios de prática de crime), o deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF) e a desembargadora Marília Castro Neves, do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro), são acusados de calúnia e ataques aos direitos humanos.

Os dois crimes são comprovados por postagens em redes sociais onde culpam Marielle pela própria morte e afirmam que a ex-vereadora foi eleita por uma organização criminosa do Rio de Janeiro conhecida como Comando Vermelho.

Patrick Mariano, advogado que participa da representação contra o deputado Alberto Fraga, denuncia. “Não é um discurso inocente porque expressa uma ideologia fascista, que guarda relações com o nazismo, ou seja, uma ideologia do aniquilamento do outro, do extermínio. Por isso ela deve ser combatida“, disse.

Após o assassinato de Marielle, o deputado fez uma série de postagens em seu Twitter onde atacou a vereadora do PSOL e os mais de 46 mil eleitores que a elegeram em 2016.

Tuíte de deputado federal foi apagado após repercussão/Reprodução

A denúncia contra o deputado aponta: “A calúnia lançada pelo representado estimula ataques e agressões de violência e discriminação a parcela expressiva da cidade do Rio Janeiro”.

Após repercussão negativa sobre as informações falsas, o parlamentar, da bancada da bala, desativou suas contas oficiais do mandato em redes sociais.

A desembargadora Marília Castro também publicou notícias falsas sobre Marielle na sua conta pessoal no Facebook. A juíza disse que a vereadora “estava engajada com bandidos” e era “um cadáver tão comum quanto qualquer outro”.

Ela ainda acrescentou: “A verdade é que jamais saberemos ao certo o que determinou a morte da vereadora, mas temos certeza de que seu comportamento, ditado por seu engajamento político foi determinante para seu trágico fim”.

A denúncia dirigida a desembargadora ressalta que “a liberdade de expressão não protege discursos de ódio nem violações a direitos humanos”, especialmente quando “se trata de uma magistrada e de uma vítima que sequer pode exercitar sua defesa”.

Patrick Mariano ressalta que ambos os ataques querem justificar e legitimar o assassinato de Marielle Franco. “O recado que a desembargadora e o Alberto Fraga passaram foi que não só o assassinato da vereadora Marielle foi legítimo, mas como se tivesse que acontecer em mais casos”.

As representações foram encaminhadas ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC). Ambas reivindicam procedimento de investigação e responsabilidade, com aplicação de medidas judiciais cabíveis ao deputado e a desembargadora.

Terça-feira, 20 de março de 2018
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend