O que a Alemanha tem a nos ensinar sobre a “desnazificação” no pós-guerra?
Quarta-feira, 13 de maio de 2020

O que a Alemanha tem a nos ensinar sobre a “desnazificação” no pós-guerra?

Arte: Justificando

 

Por Gustavo Tank Bergström

 

Na última quinta-feira (07/05), boa parte da sociedade brasileira consternou-se ao assistir a entrevista da atual Secretária Especial de Cultura, Regina Duarte, concedida à CNN Brasil, em seu gabinete em Brasília. Ao ser indagada sobre sua presença no governo Bolsonaro que, em diversas oportunidades externou apoio ao período de ditadura militar (1964-1985) no país, Regina minimizou as inúmeras mortes ocorridas durante o período.

 

Frases como “Na humanidade, não para de morrer [gente]. Por que as pessoas ainda ficam ó [chocadas]? Não quero arrastar um cemitério de mortos nas costas”, constrangeram até mesmo o entrevistador, que tentou argumentar a despeito das censuras, torturas e até mesmo mortes ocorridas. No entanto, insistiu a secretária: “Se você falar da vida, do lado tem a morte. Sempre houve tortura, censura. Sou leve, estou viva. Estamos vivos, vamos ficar vivos? Não vive quem fica arrastando cordéis de caixões”. 

 

As alegações são perversas, mas não surpreendem. Não é apenas Bolsonaro, Regina Duarte, ou o governo que compartilham deste pensamento. Grande parte dos brasileiros pouco conhecem sobre o golpe de 1964 e as trágicas décadas que vieram em seguida. Mesmo diante das recentes evidencias apresentadas pela CIA (Serviço de Inteligência dos Estados Unidos), que revelaram que o ex-presidente Ernesto Geisel (1974-1979) autorizou a execução sumária de militantes opositores ao regime, há ainda no país uma manifesta resistência em reconhecer o próprio passado.

 

Por outro lado e longe daqui, no velho continente, comemorou-se nesta sexta-feira (08/05) os 75 anos do fim da Segunda Guerra Mundial. O conflito que terminou em Berlim, matou cerca de 60 milhões de pessoas em todo o mundo e configura-se como um dos mais nefastos períodos da história humana. Durante as celebrações no dia, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente do país, Frank-Walter, estiveram presentes no Portal de Brandemburgo para depositar flores e prestar homenagens às vítimas do genocídio. Uma questão, portanto, chama a atenção: a maneira como os alemães tratam o nazismo e sua história.

 

Leia também:

Carl Schmitt em tempos de bolsonarismoCarl Schmitt em tempos de bolsonarismo

Após o fim da segunda guerra, a Alemanha submeteu-se à um longo processo de reconciliação pública com seu passado, reconhecendo e enfrentando como nação a responsabilidade gerada pelo legado nazista. Levaria tempo, mudanças geracionais e eventos externos para tornar a Alemanha o que é hoje: uma democracia vibrante e notavelmente menos permissiva ao racismo, fascismo e extremismo do que o Brasil. A cultura e a política alemã foram reconstruídas para intercalarem-se integralmente com a história do país e, assim, regularmente referem-se ao período nazista. 

 

Dessa maneira, o processo de descobrir e enfrentar o passado torna-se multifacetário e não fica restrito à apenas escolas ou museus. Os alemães não aprendem sobre o Holocausto somente de uma maneira. O processo está presente em obras de arte, na literatura, em filmes, na televisão, de diferentes formas e registros, repercutindo-se em toda a sociedade alemã. 

 

O país igualmente promove diversas pausas para realizar eventos públicos de demonstração de arrependimento – e não sente vergonha por isto. A libertação de Auschwitz, além da celebração do fim da guerra, como visto nesta sexta-feira, são apenas alguns exemplos dos eventos públicos de arrependimento. Há ainda, na reunificada Berlim, o Memorial do Holocausto, o East Side Gallery e as famosas pedras de tropeço” – pequenas placas colocadas por toda a cidade para marcar onde judeus e outras vítimas viveram pela última vez. 

 

Nesse sentido, o exemplo da “desnazificação” da Alemanha no pós-guerra pode oferecer um caminho a ser seguido pelo Brasil. A negação do próprio passado em nosso país traz tem trazido tantas consequências negativas que até mesmo eleitores do atual governo passaram a reconhecer a gravidade da situação. Agressão à jornalistas, manifestações pela implementação do Ato Institucional n. 5 – AI-5, encontros e homenagens públicas à torturadores, pedidos de intervenção militar, são reflexos do trágico quadro político-institucional que estamos inseridos.

 

A negligência da própria história, portanto, não é incidental, mas sim um atributo cristalizado em nossa sociedade, que impossibilita a mudança de perspectiva. Se recusar a ser honesto quanto ao seu significado garante que o país não enfrente completamente seu passado. E para construir o futuro é preciso que se entenda o passado, sob a pena perpetuada de nos submetermos aos mesmos erros, pois, como bem ressaltou George Orwell, “quem controla o passado controla o futuro. ”[1]

 

 

Gustavo Tank Bergström é Mestrando em Ciências Humanas e Sociais pela FCA- UNICAMP. Especialista em Direito e Processo do Trabalho. Presidente da Comissão de Direito Digital da 35ª Subseção da OAB/SP. Advogado.


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Notas:

[1] ORWELL, George, 1984, Companhia das Letras, 2009.

Quarta-feira, 13 de maio de 2020
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend