Negócios fechados e sem distanciamento social, este é o pior dos mundos
Terça-feira, 14 de julho de 2020

Negócios fechados e sem distanciamento social, este é o pior dos mundos

BG: Valter Campanato / Agência Brasil – Imagem: Marcelo Camargo / Agência Brasil – Montagem: Gabriel Pedroza / Justificando

 

 

Por Frederico Rochaferreira

 

O Brasil segue ignorando duas regras básicas recomendadas pela Organização Mundial da saúde (OMS) e por especialistas em saúde no combate à pandemia, que são manter o distanciamento social e o uso de máscaras. O resultado dessa irresponsabilidade aliada à precariedade do Sistema de Saúde, são milhares de mortes em todo o país.[1]

 

Ao mesmo tempo em que números acima de mil mortes diárias eram divulgados, o presidente Jair Bolsonaro vetava o uso obrigatório de máscaras em órgãos públicos, estabelecimentos comerciais, industriais e templos religiosos, medida que constava no projeto de lei aprovado pela Câmara dos Deputados em 9 de junho, com a justificativa de que tais medidas eram uma “violação de domicílio”. Bolsonaro vetou também o dispositivo que obrigava os estabelecimentos a fornecer máscaras gratuitamente aos funcionários e o poder público a fornecer máscaras à população carente.[2]

 

Se há um sem número de medidas irresponsáveis por parte das autoridades no enfrentamento a pandemia no Brasil, há também exemplos de conduta irresponsável, começando pelo próprio presidente da República que insiste em não usar máscara em suas andanças por Brasília, cumprimentando eleitores e tirando fotos, assim como o governador de Brasília, Ibaneis Rocha (MDB), flagrado visitando uma Unidade Pública de Saúde sem usar máscara de proteção, desrespeitando o próprio decreto[3], lembrando que o uso da máscara visa principalmente prevenir a transmissão do vírus.

 

Segundo o Dr. George Gao, diretor-geral do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças, o grande erro nos EUA e na Europa, foi que as pessoas negligenciaram o uso de máscaras. “Este vírus é transmitido por gotículas de saliva ou espirro e contato próximo. As gotículas desempenham um papel muito importante [na transmissão] — você precisa usar uma máscara porque, quando fala, sempre há gotas saindo da sua boca. Muitas pessoas têm infecções assintomáticas ou pré-sintomáticas. Se eles estão usando máscaras, pode impedir que gotículas que transportam o vírus escapem e infectem outras pessoas. afirmou.

 

Gao que é Ph.D. pela  Universidade de Oxford  e pós-doutorado por Harvard, fez parte da equipe que coordenou o primeiro isolamento e sequenciamento do novo coronavírus ou SARS-CoV-2. Ele foi co-autor de dois artigos amplamente lidos, publicados no The New England Journal of Medicine ( NEJM ), que forneceram algumas das primeiras epidemiologia detalhada e características clínicas da doença, publicando mais três artigos sobre o COVID-19 na revista The Lancet . Para o cientista, o “distanciamento social é a estratégia essencial para o controle de quaisquer doenças infecciosas, especialmente se forem infecções respiratórias, porque você não possui inibidores ou medicamentos específicos e não há vacinas,” mas para que haja resultados positivos, enfatiza, “para isso, você precisa de uma liderança muito forte, em nível local e nacional”.[4]

 

O sucesso da China no combate à pandemia, país com mais de 1 bilhão de pessoas deve não só às medidas de governo, como diz Gao, uma liderança forte, mas também à responsabilidade e disciplina de sua população, que rapidamente se conscientizou da tragédia que estava por vir e cumpriu com todas as medidas de prevenção recomendadas.

 

Leia também:

Desnudado, o presidente anti-sistema se prepara para o fim do BrasilDesnudado, o presidente anti-sistema se prepara para o fim do Brasil

Uma pesquisa realizada para avaliar o padrão comportamental do chineses frente a pandemia, publicada no Journal of Medical Internet Research, constatou que 98,2% dos entrevistados estavam atentos ou muito atentos à epidemia. Mais da metade dos participantes estavam confiantes de que a epidemia poderia ser contida na China, 92,4% abriram janelas para efeito de ventilação, 97,9% usavam máscaras em público, 95,7% evitaram grandes aglomerações e ficaram em casa o máximo possível e 97,9% lavavam as mãos com mais frequência do que o habitual. Com uma série de medidas de controle público, como campanhas de educação em saúde em todo o país, extensões de férias, política de examinar e aprovar sobre a retomada do trabalho, gerenciamento rigoroso dos locais de trabalho e da vida cotidiana, um sistema de resposta rápida em saúde, triagem comunitária e políticas de distanciamento social, o número de novos casos na China começou a diminuir drasticamente desde o começo de fevereiro de 2020.[5]

 

Enquanto isso no Brasil, uma pesquisa realizada em fins de março pelo Instituto de Pesquisa Ipsos, revelou que mais da metade dos brasileiros não acreditavam que o isolamento social fosse eficaz contra o avanço da doença[6] ao mesmo tempo em que o presidente da República vinha a público dizer que a pandemia era uma “gripezinha”[7]. No final de abril o Ipsos fez nova pesquisa e numa lista com 15 países, o Brasil foi o segundo que menos acreditava na eficácia do isolamento social para reduzir as mortes por coronavírus.[8]

 

A irresponsabilidade do governo federal e o pouco discernimento da população, de forma didática, incapacidade em compreender o tamanho da tragédia pandêmica que a cerca e de avaliar uma conduta certa de uma errada e seguir a conduta certa, tem contribuído sem dúvida para as milhares de mortes no país. Em abril, autoridades de saúde lançaram um apelo com a esperança de convencer 70% da população a respeitar o isolamento social, sem sucesso.[9]

 

Em junho, com a reabertura do comércio na cidade de São Paulo, as aglomerações se otimizaram, com filas em lojas, calçadas cheias e transporte público lotado[10], mesmo no período de quarentena, a cidade de São Paulo não respeitava o isolamento social[11]. No início de julho, depois de autorizada a reabertura de bares e restaurantes no Rio de Janeiro, bares e ruas do Leblon, na zona sul carioca ficaram lotadas[12], assim como na Zona Oeste e Baixada Fluminense.[13]

 

Como se não houvesse amanhã ou pandemia, no dia 3 de maio, o templo evangélico do autodenominado pastor Waldomiro comportava cerca de 3 mil fiéis entre crianças, adolescentes, adultos e idosos, corroborando a pesquisa da Inloco, plataforma de geolocalização, que constatou naquele mês que apenas 42%, da população brasileira tinha aderido ao distanciamento social.

 

Como disse o economista Alexandre Schwartsman, ex-diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central, o fato do Brasil “ter negócios fechados e baixo distanciamento social é o pior dos mundos”[14], e ele tem razão, porque, com a flexibilização nesse cenário, dada a irresponsabilidade do Governo Federal e da população, certamente o Brasil terá uma segunda onda de contágio e amargará um longo período de agonia econômica e social.

 

 

Frederico Rochaferreira é escritor,  especialista em Reabilitação pelo Hospital Albert Einstein e membro da Oxford Philosophical Society

 


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Referências:

  1. https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2020/07/03/casos-e-mortes-por-coronavirus-no-brasil-3-de-julho-segundo-consorcio-de-veiculos-de-imprensa.ghtml
  2. https://economia.uol.com.br/noticias/reuters/2020/07/03/bolsonaro-veta-obrigatoriedade-de-uso-de-mascaras-em-locais-fechados-com-reuniao-de-pessoas.htm
  3. https://br.noticias.yahoo.com/governador-do-df-descumpre-proprio-decreto-ao-vistoriar-clinica-de-saude-sem-mascara-131838344.html
  4. https://www.sciencemag.org/news/2020/03/not-wearing-masks-protect-against-coronavirus-big-mistake-top-chinese-scientist-says?rss=1#
  5. https://www.jmir.org/2020/5/e18718/
  6. https://www.bbc.com/portuguese/brasil-52053814
  7. https://noticias.uol.com.br/colunas/leonardo-sakamoto/2020/03/20/gripezinha-menosprezo-de-bolsonaro-por-coronavirus-o-tornou-cumplice.htm
  8. https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2020/04/23/interna-brasil,847456/brasileiros-estao-entre-os-que-menos-acreditam-no-isolamento-social.shtml
  9. https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2020/04/10/cenas-de-aglomeracoes-pelo-brasil-colocam-autoridades-em-alerta.ghtml
  10. https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/06/10/cidade-de-sp-registra-filas-em-lojas-aglomeracoes-nas-ruas-e-transporte-publico-lotado-no-1o-dia-de-reabertura-do-comercio.ghtml.
  11. https://exame.com/brasil/ainda-em-quarentena-sp-tem-ruas-cheias-comercios-abertos-e-aglomeracoes/
  12. https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2020/07/03/reabertura-bares-rio-de-janeiro-aglomeracao.htm
  13. https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2020/07/05/bares-do-rj-voltam-a-registrar-aglomeracoes-na-zona-oeste-e-na-baixada.htm
  14. https://veja.abril.com.br/brasil/por-que-o-brasil-se-tornou-campeao-mundial-da-desordem-na-quarentena/
Terça-feira, 14 de julho de 2020
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend