Guia reúne recomendações para políticas municipais de álcool e outras drogas
Quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Guia reúne recomendações para políticas municipais de álcool e outras drogas

Imagem: Rovena Rosa / Agência Brasil – Edição: Gabriel Pedroza / Justificando

 

 

Por Plataforma Brasileira de Política de Drogas (PBPD)

Material pauta a elaboração de políticas públicas sob as perspectivas do cuidado e atenção; moradia e renda; e segurança pública e acesso à justiça

 

Programas de tratamento de álcool e outras drogas devem se basear no princípio da liberdade, na autonomia do indivíduo e da comunidade e no respeito aos direitos humanos. Reunindo observações como esta, a Plataforma Brasileira de Política de Drogas (PBPD) lança, neste período eleitoral, o Guia sobre Políticas de Drogas para Municípios – um convite à inclusão em tempos de proibição, escrito pelas especialistas Melissa de Azevedo e Nathália Oliveira. A publicação está disponível para download no site da instituição.

 

O guia funciona como uma ferramenta para a consolidação de políticas públicas municipais sobre drogas que respeitam direitos e promovem a inclusão“, explica Cristiano Maronna, secretário executivo da PBPD. O objetivo é contribuir para o debate qualificado e também servir de apoio para os tomadores de decisões eleitos na elaboração de suas políticas. Compartilhando experiências e saberes acumulados nacionalmente nos últimos dez anos, são apresentados programas existentes e organizações atuantes no país, em formato que facilita a formação de redes de ação.

 

A ênfase é na prevenção e na redução de danos, e a publicação estimula o surgimento de boas práticas nas futuras gestões municipais. “Nos últimos anos, tem se compreendido o papel cada vez maior dos municípios em relação às políticas de drogas. Ainda que a Lei de Drogas seja federal, é o município que desenvolve os programas de cuidado e atenção e que participa da prevenção e das ações de segurança e de direitos humanos. Reunimos neste documento o que há de mais atual nos acúmulos recentes”, comenta a autora Nathália Oliveira.

 

Melissa Azevedo, também autora, conta que a inspiração partiu da necessidade de sistematizar e organizar um grande volume de informações produzidas que não estavam à disposição. “A proposta foi garimpar referências para provocar e colaborar com candidatas/os, militantes, trabalhadoras/es, usuárias/es, gestoras/es e Poder Legislativo na construção de possibilidades de atuação e agendas que assegurem direitos“, afirma.

 

Leia também:

Podcast Justificando destrincha o Antiproibicionismo e a Guerra às DrogasPodcast Justificando destrincha o Antiproibicionismo e a Guerra às Drogas

As recomendações orientadoras partem de alguns pressupostos – entre eles, o da intersetorialidade, cuja ideia central é a integração entre SUS (Sistema Único de Saúde), SUAS (Sistema Único de Assistência Social), habitação, segurança urbana, direitos humanos e geração de renda, no que diz respeito a estratégias de cuidado para todos na cidade. Já a interseccionalidade aponta para as questões de gênero, raça, classe, geração e território na equação dos programas, para que sejam indutores na reversão de vulnerabilidades.

 

A garantia de direitos, terceiro pressuposto para o desenvolvimento de políticas sobre drogas de acordo com a PBPD, convida à superação de estigmas para a produção de experiências inclusivas, buscando vencer os déficits sociais promovidos pela guerra às drogas. Soma-se a ela a necessidade de construção de uma cultura de paz em oposição à prática de combate que vem prejudicando pessoas e regiões pobres em todas as grandes cidades do país.

 

A participação social na formulação, implementação e avaliação de políticas e programas; o debate qualificado e a mudança de foco da substância para o ser humano e para o contexto sociocultural também são considerados pressupostos. Além disso, o conjunto de recomendações da PBPD para os municípios é feito em torno de três eixos temáticos: cuidado e atenção; moradia e renda; e segurança pública e acesso à justiça, cada um deles concentrando orientações específicas.

 

Guia sobre Política de Drogas para Municípios tem direção de arte de Carol Godefroid, da Pirô de Imagem .

 

 

A Plataforma Brasileira de Política de Drogas (PBPD) é uma rede nacional que busca debater e promover políticas de drogas fundamentadas na garantia dos direitos humanos e em evidências científicas, na redução dos danos produzidos pelo uso problemático de drogas e pela violência associada à ilegalidade de sua circulação, bem como na promoção da educação e da saúde pública. Composta por mais de 50 entidades, nasce da necessidade de unir, em rede, especialistas e organizações que se dedicam a estudar e a promover a reforma da política de drogas em suas diversas frentes: saúde, segurança pública, acesso à justiça e direitos humanos. 


O Justificando não cobra, cobrou, ou pretende cobrar dos seus leitores pelo acesso aos seus conteúdos, mas temos uma equipe e estrutura que precisa de recursos para se manter. Como uma forma de incentivar a produção de conteúdo crítico progressista e agradar o nosso público, nós criamos a Pandora, com cursos mensais por um preço super acessível (R$ 19,90/mês).

Assinando o plano +MaisJustificando, você tem acesso integral aos cursos Pandora e ainda incentiva a nossa redação a continuar fazendo a diferença na cobertura jornalística nacional.

[EU QUERO APOIAR +MaisJustificando]

Quarta-feira, 28 de outubro de 2020
Anuncie

Apoiadores
Seja um apoiador

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 175 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

Justificando Conteúdo Cultural LTDA-EPP

[email protected]

Send this to a friend